CONDUTA DE RISCO

CONDUTA DE RISCO

(Michael Clayton)

2007 , 119 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 07/12/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Tony Gilroy

    Equipe técnica

    Roteiro: Tony Gilroy

    Produção: Jennifer Fox, Kerry Orent, Steve Samuels, Sydney Pollack

    Fotografia: Robert Elswit

    Trilha Sonora: James Newton Howard

    Estúdio: Castle Rock Entertainment

    Elenco

    Danielle Skraastad, George Clooney, Katherine Waterston, Michael O'Keefe, Sydney Pollack, Thomas McCarthy, Tilda Swinton, Tom Wilkinson, Wai Chan

  • Crítica

    07/12/2007 00h00

    Conduta de Risco é a estréia de Tony Gilroy na direção de um longa-metragem. Roteirista da trilogia iniciada por A Identidade Bourne e também deste longa-metragem, o agora diretor mostra maturidade ao filmar uma história complexa (às vezes até demais), permeada por atuações sólidas e marcantes.

    George Clooney - também produtor executivo do longa - interpreta o Michael Clayton que nomeia a produção em seu título original. Ele é um advogado com problemas familiares e financeiros; sua vida profissional parece também não prosperar muito e tudo parece entrar em colapso quando é envolvido num importante caso da firma de advocacia onde trabalha. Quando seu amigo Arthur Edens (Tom Wilkinson) tem um desastroso surto psicológico durante os andamentos de um processo coletivo contra a corporação U/North (que fabrica suprimentos agrícolas aparentemente letais à saúde dos que os utilizam), Clayton é enviado por um dos sócios da firma, Marty Bach (Sydney Pollack), para tentar resolver a situação. Enquanto isso, Karen Crowder (Tilda Swinton), representante da U/North, tenta contornar a sucessão de desastres ocorridos durante o processo.

    Mais do que abordar a forma como corporações podem prejudicar os cidadãos e cometer crimes de forma a não comprometer seus lucros - temas explorados em filmes como Erin Brokovich - Uma Mulher de Talento e O Informante, entre tantos outros -, Conduta de Risco joga luzes sobre um lado nada glamuroso da advocacia. Tanto que, em diversos momentos, o protagonista se chama de "faxineiro": ele existe para limpar a sujeira dos outros, da forma mais discreta possível.

    A história é complexa demais e falta ritmo a Conduta de Risco; demora para que o espectador entenda o que aconteça e realmente perceba as intenções da história. É, portanto, um filme difícil e denso, para um público mais disposto a entrar na sala de cinema para pensar. Ao mesmo tempo, ele é brindado por excelentes atuações, com destaque para Clooney (que acabou de ganhar o National Board of Review de Melhor Ator por este trabalho), Tilda e Wilkinson.

    Em tempo: esta estréia de Gilroy foi tão bem-recebida em Hollywood que seu próximo filme, Duplicity - atualmente em fase de pré-produção - será protagonizado por atores de peso: Julia Roberts e Clive Owen já estão confirmados, contracenando juntos novamente após Closer - Perto Demais (2004).

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus