CONSPIRAÇÃO E PODER

CONSPIRAÇÃO E PODER

(Truth)

2015 , 125 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 24/03/2016

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • James Vanderbilt

    Equipe técnica

    Roteiro: James Vanderbilt

    Produção: Andrew Spaulding, Brad Fischer, Brett Ratner, Doug Mankoff, James Vanderbilt, William Sherak

    Fotografia: Mandy Walker

    Trilha Sonora: Brian Tyler

    Estúdio: RatPac Entertainment, Sony Pictures Classics

    Montador: Richard Francis-Bruce

    Distribuidora: Mares Filmes

    Elenco

    Andrew McFarlane, Bruce Greenwood, Cate Blanchett, Connor Burke, David Lyons, Dennis Quaid, Dermot Mulroney, Elisabeth Moss, Elizabeth Nabben, Felix Williamson, Gael Ballantyne, Helmut Bakaitis, Jo Turner, John Benjamin Hickey, Lewis Fitz-Gerald, Matt Ruscic, Natalie Saleeba, Noni Hazlehurst, Philip Quast, Rachael Blake, Robert Redford, Stacy Keach, Steve Bastoni, Tim McCunn, Topher Grace, Zahra Newman

  • Crítica

    24/03/2016 15h15

    Por Iara Vasconcelos

    No Oscar desse ano, Spotlight - Segredos Revelados levou a estatueta de melhor filme ao retratar a história de um grupo de jornalistas do Boston Globe, que trouxe à tona milhares de casos de pedofilia envolvendo membros da igreja católica. Agora, Hollywood aposta novamente em um drama envolvendo o mesmo tema com Conspiração E Poder.

    Na trama, Cate Blanchett vive a produtora da CBS Mary Papes, que junto com o âncora Dan Rather (Robert Redford) e a equipe do jornalístico 60 minutes, resolve investigar se o ex-presidente dos EUA, George W. Bush, teria sido privilegiado para não lutar na guerra do Vietnã.

    Eles entram em contato com diversas fontes que serviram na mesmo época que Bush e reuniram material suficiente para levar o caso ao ar, mas isso desperta a ira do poder constituído, que faz de tudo para tirar a credibilidade da matéria. E conseguem. Depois de ir ao ar, a matéria é criticada e a veracidade dos documentos apresentados é posta em xeque. Não demora muito para que a equipe seja acusada de estar envolvida em um jogo político e sua carreira na CBS começa a corroer.

    O filme questiona até que ponto o jornalismo consegue ser imparcial quando os principais canais de televisão, que detém a maior parte da audiência, precisam do dinheiro de grandes corporações para manter-se sempre no topo. Em uma das cenas, Dan Rather revela que o jornalismo se tornou importante quando descobriram que ele podia render dinheiro. A face mais obscura da profissão também já foi mostrado anteriormente, como em O Abutre e 118 Dias.

    Outra boa sacada de Conspiração e Poder é que ele mostra três jornalistas com dilemas diferentes: Mary Papes é uma jornalista que precisa enfrentar o machismo da indústria; Rather é o veterano competente, mas idealista, que tem um olhar inocente sobre a profissão. Já Mike Smith é um jovem libertário, que recusa a se vender ao jornalismo comercial.

    Mesmo sendo comparado a Spotlight, o filme aborda um lado muito mais crítico sobre o jornalismo, seja na precariedade das condições de trabalho, seja na falta de parcialidade - ou pela escolha do "aliado" errado. Com atuações competentes, e um roteiro preciso, sem enrolações, Conspiração e Poder mostra como a informação tem o poder de mover massas e mudar situações - como quase acabar com uma eleição - assim como a capacidade de criar mocinhos e vilões a seu bel-prazer.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus