CORAÇÃO DE FOGO

CORAÇÃO DE FOGO

(Corazón Del Fuego/ El Último tren)

2002 , 94 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Diego Arsuaga

    Equipe técnica

    Roteiro: Beda Docampo Feijóo, Diego Arsuaga

    Produção: Carlos Mentasti, Mariela Besuievski, Óscar Kramer, Pablo Bossi

    Fotografia: Hans Burman

    Trilha Sonora: Hugo Jasa

    Estúdio: Tornasol Films S.A

    Elenco

    Alfonso Tort, Balaram Dinard, Eduardo Migliónico, Eduardo Proust, Elisa Contreras, Federico Luppi, Fred Deakin, Gastón Pauls, Guillermo Chaibún, Héctor Alterio, Herbert Grierson, Jenny Goldstein, Jorge Bolani, Pepe Soriano, Saturnino Garcia, Virginia Ramos

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    É duro ser colônia. Grandes blockbusters americanos chegam às nossas salas de forma simultânea (ou quase isso) aos cinemas da matriz. Enquanto isso, bons filmes da vizinha Argentina demoram anos para estrear por aqui. Quando estréiam.

    É o caso de Coração de Fogo, co-produção entre Uruguai e Argentina que foi exibida no Festival de Gramado em 2003 e só agora desembarca no circuito brasileiro. Trata-se de uma trama simples, direta como um trilho de trem. E irresistível. Sim, como é possível não se apaixonar por um grupo de simpáticos velhinhos que "roubam" uma locomotiva histórica para impedir que ela seja enviada para os EUA? E por que os americanos querem comprar uma locomotiva argentina? Ora, para que ela faça parte de um filme hollywoodiano produzido por um tal de Spilberg (assim, mesmo, sem a letra e).

    A analogia é direta e reta. Ingênua também, sem dúvida, mas muito bem-vinda. É a resistência do patrimônio histórico contra a cultura de massa. Dos velhinhos contra a civilização feroz. E com uma triste ironia: como "roubar" um trem, se os trilhos já indicam seus caminhos? É uma luta quixotesca e traiçoeira, mas repleta de valor. Sin perder la ternura, jamás.

    Coração de Fogo seria, digamos, um "railroad movie" divertido e alto astral. Com excelentes interpretações, ritmo ágil e direção segura, é um pequeno David uruguaio-argentino lutando contra Golias norte-americanos. Nada mais coerente que ele estréie anos depois de sua produção, num "circuitinho" de nada, sem alarde nem divulgação. "Spilberg" sempre vence.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus