CRY WOLF - O JOGO DA MENTIRA

CRY WOLF - O JOGO DA MENTIRA

(Cry Wolf)

2005 , 90 MIN.

Gênero: Terror

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jeff Wadlow

    Equipe técnica

    Roteiro: Beau Bauman, Jeff Wadlow

    Produção: Beau Bauman

    Fotografia: Romeo Tirone

    Trilha Sonora: Michael Wandmacher

    Estúdio: Hypnotic

    Elenco

    Jared Padalecki, Jon Bon Jovi, Julian Morris, Lindy Booth

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Acredito que o gênero de terror encontra-se em franca decadência. Exceto por alguns lampejos de genialidade aqui e acolá, não há muita novidade sendo produzida nessa área. No começo, Cry Wolf - O Jogo da Mentira parece ser um apanhado de um monte de coisas que os fãs de cinema de terror já viram por aí sendo repetido exaustivamente. Mas existem, sim, alguns momentos inspirados em seu roteiro - especialmente reservados ao final - que acabam salvando a produção da desgraça total.

    O protagonista de Cry Wolf - O Jogo da Mentira é Owen (Julian Morris), espertinho adolescente inglês que acaba de entrar no colégio interno Westlake, freqüentado por jovens abastados norte-americanos. Logo de cara ele fica amigo de Dodger (Lindy Booth), aluna misteriosa que desperta seu interesse. Conseqüentemente, ele começa a se relacionar com a turma de amigos de Dodger. E, juntos, os jovens intrépidos resolvem se aproveitar de uma tragédia real que aconteceu nas imediações da escola - uma jovem acaba de ser assassinada - para fazer uma brincadeira de mau gosto. Eles criam uma identidade não somente psicológica, mas também visual, para o suposto responsável pela morte da menina, espalhando por meio de e-mails a todos os alunos na escola que se trata de um assassino em série. Aos poucos, o perfil começa a ganhar vida e ameaçar o grupo de amigos, um a um.

    O desenvolvimento da perseguição dos amigos não tem nada de novo, mas a forma como a trama é conduzida é interessante, especialmente por explorar meios de comunicações modernos (como programas de mensagens instantâneas, envio de fotos pelo celular e e-mails). Também é válido comentar um pouco sobre a produção de Cry Wolf - O Jogo da Mentira: orçado em US$ 1 milhão, o valor foi fornecido por uma fábrica de carros. O diretor Jeff Wadlow (que até este filme só havia dirigido curtas-metragens) conseguiu esse montante após vencer um concurso cinematográfico. O desafio era escrever um roteiro que agradasse aos juízes e foi o de Cry Wolf - O Jogo da Mentira o vencedor. Mas Wadlow não é o único novato por aqui: os atores também têm pouca experiência no cinema, exceto por Jon Bon Jovi. O roqueiro faz mais uma experiência como ator neste projeto, representando o único nome conhecido do grande público (especialmente entre os que nasceram por volta dos anos 80).

    Tanto sangue novato acaba fazendo com que Cry Wolf - O Jogo da Mentira evite alguns vícios típicos de produções de terror. Inclusive, seu próprio roteiro brinca com os lugares-comuns presentes nos filmes do gênero. Cry Wolf - O Jogo da Mentira não é um sopro de genialidade que às vezes aparece no mundo cinematográfico, mas pelo menos representa um leve frescor nesse sentido.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus