DE PERNAS PRO AR (2010)

DE PERNAS PRO AR (2010)

(De Pernas Pro Ar)

2010 , 101 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 31/12/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Roberto Santucci

    Equipe técnica

    Roteiro: Marcelo Saback, Paulo Cursino

    Produção: Mariza Leão

    Fotografia: Antônio Luis Mendes

    Trilha Sonora: Fabio Mondego

    Estúdio: Downtown Filmes, Globo Filmes, Morena Filmes, Paris Filmes

    Distribuidora: Paris Filmes

    Elenco

    Antônio Pedro, Bruno Garcia, Charles Paraventi, Cristina Pereira, Denise Weinberg, Flávia Alessandra, Ingrid Guimarães, João Fernandes, Marcos Pasquim, Maria Paula, Ricardo Barrão

  • Crítica

    30/12/2010 14h08

    Dizer que De Pernas Pro Ar se parece com episódio estendido de seriado televisivo seria até um elogio para essa comédia romântica que, de “romântica”, não tem nada, e de “comédia, muito pouco.

    O ponto de partida é interessante: Alice (Ingrid Guimarães) é uma executiva viciada em trabalho que nunca teve um orgasmo. Após um acidente que causa sua demissão, ela finalmente admite as frustrações, repensa o que é ser mulher e, de quebra, descobre que pode ganhar dinheiro com uma sex shop.

    Qual é a alma do filme De Pernas Pro Ar? Que as mulheres precisam conhecer seu corpo e descobrir prazer. Ótimo! O filme parece liberal ao falar de vibradores, calcinhas comestíveis, gel para massagem e outros brinquedos sexuais. Porém, no fundo, reafirma-se como um filme conservador que só permite o prazer e a felicidade às mulheres casadas, com marido, filho e o resto do pacote. Até o Os Simpsons consegue ser mais sincero ao refletir sobre a mulher contemporânea a partir de uma mãe de família conservadora.

    De Pernas Pro Ar tem aquele ar de falsa modernidade consagrado pela teledramaturgia. Porém, o mais constrangedor é que, mesmo na hora de utilizar clichês, seja na forma ou no conteúdo, o filme não se sai bem. Enquadramentos soberbos despropositados para situações triviais, personagens que repetem clichês ao tentar brincar com eles, trilhas sonoras que se batem na mesma sequência, piadas tão inspiradas quanto as do Zorra Total e por aí vai.

    Não há a sensação de realidade necessária aos filmes que usam e abusam de clichês porque De Pernas Pro Ar morre de medo de esquecer de aparar alguma aresta menos comportada. Sem contar que Alice, a protagonista, não se parece com uma workaholic realmente preocupada com a descoberta do próprio prazer, mas uma histérica chata que tenta aprender a mexer no controle remoto!

    Uma solução aqui, outra ali, ainda tentam salvar a produção, como a cena em que a personagem de Ingrid Guimarães alcança o orgasmo pela primeira vez ou a montagem inicial, tão frenética quanto a personagem que conduz o filme.

    De resto, assistir a De Pernas Pro Ar é um gesto que só desperta muitas saudades de Divã, Mais Uma Vez Amor, A Mulher Invisível, Se Eu Fosse Você, O Casamento de Romeu e Julieta...

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus