DEFESA SECRETA

DEFESA SECRETA

(Secret défense)

1998 , 170 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jacques Rivette

    Equipe técnica

    Roteiro: Emmanuelle Cuau, Jacques Rivette, Pascal Bonitzer

    Produção: Martine Marignac, Maurice Tinchant

    Fotografia: William Lubtchansky

    Trilha Sonora: Jordi Savall

    Elenco

    Bernadette Giraud, Christine Vouilloz, Françoise Fabian, Grégoire Colin, Hermine Karagheuz, Herzog Herzog, Jerzy Radziwilowicz, Laure Marsac, Mark Saporta, Sandrine Bonnaire, Sara Louis

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Graças ao grupo carioca Estação, São Paulo continua recebendo - ainda que com atraso - produções européias que já haviam estreado no Rio de Janeiro, mas que permaneciam inéditas na capital paulista. É o caso de Defesa Secreta, filme que o francês Jacques Rivette dirigiu em 1998.

    A história tem início com Sylvie (Sandrine Bonnaire, de Mulheres Diabólicas e Sob o Sol de Satã) surpreendendo seu irmão mais novo, Paul (Grégoire Colin, de A Vida Sonhada dos Anjos), revirando suas gavetas atrás de uma arma. Paul explica que acaba de descobrir que na realidade o pai deles não morreu num acidente, conforme acreditavam, mas sim que ele havia sido assassinado pelo próprio sócio, Walser (Jerzy Radziwilowicz, ator polonês de O Homem de Mármore).
    Entre preocupada e desconfiada, Sylvie resolve se antecipar a Paul e vai ela mesma procurar Walser. E acaba mergulhando num labirinto de emoções que julgava escondidas.

    Longo (quase três horas) e denso, Defesa Secreta tem roteiro escrito a quatro mãos por Pascal Bonitzer (que também escreveu Minha Estação Preferida e Genealogia de um Crime) e Emmanuelle Cuau. O diretor Rivette, aos 72 anos, é um dos veteranos mais respeitados do cinema francês, autor de 29 longas, entre eles A Bela Intrigante, seu filme mais recente exibido no Brasil. Junto com Godard e Truffaut, Rivette fez parte da famosa equipe de críticos de cinema da revista Cahiers du Cinema que fundou o movimento Nouvelle Vague, nos anos 50.
    Por isso, não espere um filme fácil.


    01 de novembro de 2000
    ---------------------------------------
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e do Canal 21. Às sextas-feiras é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus