DIA DE FESTA

DIA DE FESTA

(Dia de Festa)

2006 , 77 MIN.

Gênero: Documentário

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Pablo Georgieff, Toni Venturi

    Equipe técnica

    Produção: Giba Cuscianna, Sérgio Kieling, Stefano Macchi

    Fotografia: Flávio Murilo, Philippe Lafaix, Toni Venturi

    Estúdio: Olhar Imaginário

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Por mais que os atores sejam bons, por mais que o roteiro seja realista, por mais que toda a equipe do filme tenha se envolvido com o tema, nada substitui a fala de quem está vivendo a situação. Dia de Festa, dirigido pelo brasileiro Toni Venturi (Cabra-Cega) e pelo arquiteto franco-argentino Pablo Georgieff, é um documentário que respeita isso. O tema é o MSTC, o Movimento dos Sem-Teto do Centro, e o recorte são sete invasões simultâneas que o grupo paulista preparou para uma madrugada de 2004.

    A câmera começa tremida e quase amadora percorrendo as ruas do Centro de São Paulo: Vale do Anhangabaú, Viaduto do Chá, camelôs, monte de gente, gritaria, risada. De repente, tumulto, enfrentamento, choque com a polícia e toda aquela tensão que só o registro do momento pode passar: polícia sem saber o que fazer, povo descontrolado agindo assim porque está cheio de raiva, e com motivo.

    As estatísticas mostram a quantidade de prédios abandonados na cidade, o descaso dos proprietários em relação a essas habitações e a quantidade de pessoas que vivem embaixo de pontes e viadutos. As protagonistas desse documentário sabem isso não de número, mas de vida. As quatro mulheres que coordenam o MSTC focadas no filme são uma espécie de guerreiras, cada uma com sua história dolorosa que a mais jovem delas, de 18 anos, resume sem fazer drama e com muita consciência: "Eu vi que ninguém passa nessa vida sem sofrer."

    Dia de Festa mostra algumas informações muito interessantes, como a organização de um movimento sem vínculo partidário que, embora estruturalmente simples, é mais eficiente que o governo; e a aventura que envolve as invasões aos prédios, quando cada membro do grupo ganha uma força enorme para lutar com quem quer que seja. Fica somente uma dúvida na cena na qual o proprietário de um prédio que antes havia despejado o grupo - com educação, claro, pois na frente das câmeras todo "cidadão de bem" é educado - reaparece, entregando o edifício todo reformado para uma das coordenadoras do MSTC. Seria interessante deixar um personagem tão ambíguo como esse dar sua opinião sobre o assunto.

    Dia de Festa ganhou menção honrosa no 11º Festival É Tudo Verdade, junto a outro filme de mesmo tema, À Margem do Concreto, de Evaldo Mocarzel.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus