Pôster do filme Dumbo

DUMBO

(Dumbo)

2019 , 128 MIN.

10 anos

Gênero: Animação

Estréia: 28/03/2019

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Tim Burton

    Equipe técnica

    Roteiro: Ehren Kruger

    Produção: Derek Frey, Ehren Kruger, Justin Springer, Katterli Frauenfelder

    Fotografia: Ben Davis

    Trilha Sonora: Danny Elfman

    Estúdio: Tim Burton Productions, Walt Disney Pictures

    Montador: Chris Lebenzon

    Distribuidora: Disney

    Elenco

    Alan Arkin, Amerjit Deu, Bern Collaco, Bernardo Santos, Colin Farrell, Danny DeVito, Deobia Oparei, Douglas Reith, Edd Osmond, Eva Green, Jessie Vinning, Jo Osmond, Joseph Gatt, Kamil Lemieszewski, Michael Keaton, Richard Price, Roshan Seth, Sandy Martin, Sharon Rooney, Suan-Li Ong, Tim Ingall, Vincent Andriano

  • Crítica

    26/03/2019 13h02

    Por Thamires Viana

    Quando a Disney anunciou que faria um live-action de Dumbo, muitas dúvidas pairaram os fãs da animação lançada em 1941 sobre um elefantinho orelhudo que tinha o poder de voar, principalmente por trazer Tim Burton na direção, cineasta que usa e abusa de um universo sombrio para contar suas histórias. No entanto, sua escalação foi um dos maiores acertos do estúdio nessa época de resgate nostálgico de suas animações.

    A sensibilidade do diretor em abordar o esquisito traz uma peculiaridade ao personagem que sofre para ser aceito. Há sentimento e doçura sem deixar de lado os pontos crueis que são temas do desenho original. Felizmente, Burton ameniza a temática sombria e apresenta uma adaptação satisfatória 78 anos depois.

    Ambientada em 1919, a trama acompanha o ex-artista de circo Holt Farrier (Colin Farrell) que retorna da Primeira Guerra Mundial após perder um braco. O local comandado por Max Medici (Danny DeVito) está em dificuldades, e Farrier, juntamente com os filhos Milly (Nico Parker) e Joe (Finley Hobbins), é colocado para cuidar de um elefante recém-nascido com orelhas gigantescas e que tem a habilidade de voar. A novidade desperta o interesse do ganancioso V.A Vandemere (Michael Keaton), dono de um famoso parque de diversões.

    Trazendo muita modernidade visual e cenas de tirar o fôlego - principalmente durante os voos do elefantinho - a trama insere cenários multicoloridos e uma fabulosa interação de Dumbo, criado em CGI, com os personagens humanos. Não há efeitos grotescos ou algo que desfoque a fantasia do espectador em acreditar que o animal estava mesmo presente nas gravações. Nada daquilo que vimos acontecer com a Fera no live-action A Bela E A Fera em 2017! Ao contrário de sua primeira versão, o filhote não é falante e se comunica com olhares tristes ou esperançosos que refletem bem o que ele quer dizer aos novos amigos.

    Mesmo com cartas na manga para explorar melhor o veterano de guerra Farrier, o inocente e divertido Max Medici e a bela Collette de Eva Green, o roteiro de Ehren Kruge evita se aprofundar demais nas histórias deles e garante fidelidade à animação e seu foco em Dumbo, que permanece no grande desafio de ser aceito apesar das diferenças e na incansável vontade de reecontrar a mamãe Jumbo. Apesar disso, a dupla de crianças rouba a cena com a pureza da grande amizade com o elefantinho e despertam a simpatia do espectador. A jovem Parker mostra um verdadeiro talento para a atuação e encanta com sua Milly, enquanto Hobbins traz um garotinho divertido que acompanha as aventuras da irmã mais velha. 

    Outro grande destaque nesse interessante universo circense é Keaton, que repete a parceria com Burton e DeVitto desde Batman - O Retorno, e insere uma energia contagiante em suas cenas. Ainda que não seja um vilão malígno que destrói o sonho dos mocinhos, sua atuação é convincente e poderosa ao dar emoção a uma trama simples.  

    Dumbo chega como uma das melhores adaptações da Disney e, certamente, como um dos melhores trabalhos dirigidos por Burton. Em um ano em que o estúdio trará O Rei Leão e Aladdin, o live-action do orelhudo é, sem dúvidas, um excelente começo para essa era de nostalgia proposta para os clássicos que marcaram a nossa infância.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus