E AÍ... COMEU?

E AÍ... COMEU?

(E aí... Comeu?)

2012 , 102 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 20/06/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Felipe Joffily

    Equipe técnica

    Roteiro: Lusa Silvestre, Marcelo Rubens Paiva

    Produção: Augusto Case

    Fotografia: Marcelo Brasil

    Trilha Sonora: Plínio Profeta

    Distribuidora: Downtown Filmes, Paris Filmes, RioFilme

    Elenco

    Bruno Mazzeo, Dira Paes, Emilio OrciolloNetto, Fred Lessa, José de Abreu, Juliana Alves Barbosa, Juliana Schalch, Katiuscia Canoro, Laura Neiva, Luciana Fregolente, Marcos Palmeira, Murilo Benício, Renata Castro Barbosa, Seu Jorge, Tainá Müller

  • Crítica

    20/06/2012 16h17

    Existe um conservadorismo travestido de ousadia na comédia E aí...Comeu?, a começar pelo título, que pode sugerir ao espectador estar diante de um filme atrevido, politicamente incorreto, satírico às convenções sociais. Pura ilusão. A nova empreitada no cinema do ator e comediante Bruno Mazzeo (Cilada.com) dissimula sua caretice por trás dos diálogos pretensamente abertos e descolados de seus três protagonistas. Eles são amigos de velha data que se encontram numa mesa de bar para divagar sobre as mulheres de suas vidas.

    Fernando (Bruno Mazzeo), Honório (Marcos Palmeira) e Fonsinho (Emilio Orciollo Netto) procuram entender o papel do homem diante da mulher contemporânea após o fracasso do casamento de um deles. Mote interessante, execução tacanha. Nas conversas no bar Harmonia, regadas a muito chope, o trio não soa convincente graças aos diálogos elaborados na linha “eu levanto e você corta”, que funcionam bem nos sitcoms americanos, mas parecem artificiais na boca de um brasileiro, por mais que o trio de atores se esforce para dar naturalidade à filosofia de boteco que brota dos bate-papos.

    Nos encontros regulares, eles remoem seus diferentes dissabores afetivos, falam muito de sexo e são servidos por um garçom comedor interpretado por Seu Jorge. São três estereótipos masculinos de perfis distintos: solteiro convicto que vive de relacionar-se com o maior número possível de mulheres; pai de família preso a um casamento no qual reina a falta de diálogo e desconfiança; e, por fim, homem abalado pelo fim recente de um relacionamento que demoniza a ex-mulher.

    Personagens generalizados e baseados em modelos não constituem um problema nas comédias. Às vezes é na tipificação que mora a graça. A perspectiva da mesa de bar e a visão machista que surge da conversa de homens neste ambiente também são boas escolhas. Infelizmente, o roteiro nada inovador anula as boas possibilidades ao fazer piada com situações batidas, como a do homem comparando seu pênis ao membro de um cavalo ou dizendo achar que japonesas têm a vagina na horizontal. Outras falas beiram o ridículo, como a do jornalista interpretado por Marcos Palmeira desabafando na redação.

    Tudo isso até poderia funcionar em um programa de humor televiso na linha Louco por Elas e Cilada. Num longa-metragem fica disperso e faz E aí... Comeu? parecer uma colagem de esquetes, mesmo que o roteiro se esforce em alimentar tramas paralelas, nas quais transitam as personagens femininas. Por sinal, num filme cuja mulher moderna é o tema central, faltou explorar mais elas, dando destaque, por exemplo, ao grupo de também frequentadoras assíduas do bar ou, então, às cônjuges dos personagens principais, que mereciam mais destaque.

    E aí... Comeu? pode agradar a quem estiver com pré-disposição para rir de piadas sexistas batidas e de gosto duvidoso. Não chega a ter momentos constrangedores como Cilada.com, mas está a anos-luz de parecer algo ousado e inteligente dentro do pobre cenário das comédias brasileiras.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus