ENCONTRANDO FORRESTER

ENCONTRANDO FORRESTER

(Finding Forrester)

2000 , 133 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Gus Van Sant

    Equipe técnica

    Roteiro: Mike Rich

    Produção: Jonathan King, Laurence Mark, Sean Connery

    Fotografia: Harris Savides

    Trilha Sonora: Bill Brown

    Elenco

    Anna Paquin, April Grace, Busta Rhymes, F.Murray Abraham, Joey Buttafuoco, Matt Damon, Michael Nouri, Michael Pitt, Robert Brown, Sean Connery

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O cinema norte-americano sempre foi famoso por sua incrível capacidade de contar e recontar várias vezes a mesma história. Hollywood tem o hábito de se repetir ao infinito por meio de produtos e franquias como Pânico, A Hora do Pesadelo e similares. Também é bastante comum na indústria americana a clonagem de formulações prontas. Exemplo: um estranho chega numa pequena cidade e muda toda a vida das pessoas. Outra: um policial maluco faz dupla com um policial careta e os dois, que a princípio se odeiam, acabam virando grandes amigos. Mais uma? Lá vai: treinador de uma modesta equipe de qualquer esporte consegue ser campeão mundial por meio de muito esforço e dedicação de todo o time, etc., etc., etc. E assim caminha o cinema americano.

    Encontrando Forrester, porém, chega ao extremo de usar o mesmo diretor para contar a mesma história que ele próprio já havia contado há poucos anos. Em outras palavras: o cineasta Gus van Sant praticamente refez aqui seu filme anterior, Gênio Indomável. Confira: Jamal (o estreante Rob Brown) é um aluno com uma incrível capacidade para a literatura. Porém, ele é negro e mora num bairro pobre. A salvação vem por meio de Forrester (Sean Connery), um escritor recluso que se torna amigo e tutor de Jamal. Ambos se ajudam a encontrar e a reencontrar as coisas belas da vida. Troque a literatura pela matemática, troque Rob Brown por Matt Damon e Sean Connery por Robin Williams. Pronto! Temos um novo Gênio Indomável ou um velho Encontrando Forrester.

    Isto não significa absolutamente que Encontrando Forrester seja um filme ruim. Longe disso. Ele é sensível, emocionante, bem dirigido, envolvente e repleto de mensagens edificantes. Poderia até dizer que Sean Connery dá um show de interpretação, se isso não fosse redundância. Contudo, é um trabalho com forte sabor de já vi. Bonito, sim. Clichê, sim. Esteticamente burocrático, com certeza. Pode até valer o preço do ingresso, mas não estranhe se você sair do cinema com a incômoda sensação de ter visto uma reprise.

    10 de abril de 2001

    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus