ESTÓRIAS DE TRANCOSO

ESTÓRIAS DE TRANCOSO

(Estórias de Trancoso)

2007 , 115 MIN.

Gênero: Drama

Estréia: 16/10/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Augusto Sevá

    Equipe técnica

    Roteiro: Augusto Sevá

    Produção: Mario Sergio Loschiavo

    Fotografia: Augusto Sevá, Cláudio Portiolli

    Estúdio: Raiz Produções

    Elenco

    Rodrigo Lombardi

  • Crítica

    13/10/2009 17h22

    Os primeiros editais e concursos de roteiro que Estórias de Trancoso ganhou foram em 1996. Portanto, há mais de dez anos que o projeto do longa está sendo desenvolvido, mas somente agora chega em circuito. E estreia principalmente pela presença de Rodrigo Lombardi no elenco e sua súbita fama após a novela Caminho das Índias. Lombardi é o único ator profissional neste filme – que, aliás, marca sua primeira atuação em cinema, mesmo que em pequena participação -, cujo elenco é constituído por moradores da comunidade de Trancoso, no sul da Bahia.

    Estritamente pesqueira, desde os anos 70 a comunidade vê aumentar sensivelmente o número de turistas. Estórias de Trancoso faz parte de uma trilogia concebida e dirigida por Augusto Sevá, que no final dos anos 70 realizou A Caminho das Índias - uma coincidência o mesmo nome da novela que tornou Lombardi famoso, no caso -, no qual mistura documentário e ficção sobre a comunidade de Trancoso. Era naquele momento em que a sociedade local tomava mais contato com o mundo urbano. Neste filme, Sevá segue analisando, por meio da ficção, as transformações sócio-econômicas pelas quais passam os moradores da comunidade de pescadores. Se antes a pesca era fonte de renda principal do local, o turismo passa a fazer cada vez mais diferença no painel econômico de Trancoso.

    O grande mérito de Estórias de Trancoso é a forma como Sevá se aproveita da luminosidade e das paisagens locais para construir suas imagens. Mas a narrativa do longa é arrastada; a falta de preparação dos não-atores faz com que as histórias soem falsas, forçadas. Não existe uma unidade narrativa em Estórias de Trancoso. O filme acompanha várias histórias que se passam na comunidade, como o título deixa bem claro. O roteiro apresenta sérios problemas, como personagens que somem ou assumem posturas que não condizem. Isso sem contar que o excesso de personagens somente atrapalha para que o filme consiga ser bem resolvido.

    Existe esse objetivo claro de mostrar a certa decadência tanto econômica quanto social em Trancoso por conta do crescente desenvolvimento e interesse dos turistas pela cidade baiana. Mas os personagens de Estórias de Trancoso não têm profundidade suficiente para convencer. Interpretados por locais, sem experiências anteriores na atuação, soam menos reais ainda, embora seja perceptível o interesse do diretor – também autor do roteiro – nessas transformações sociais experimentadas pela cidade; o uso de locais na ficção o aproxima do objetivo de focar a realidade em Trancoso. O tema seria muito mais interessante se abordado pelo viés do documentário. Também não ajuda ver Lombardi atuando como um italiano, falando nessa língua, especialmente porque atualmente ele é mais conhecido do que era quando o longa foi rodado. O que ajudou o filme a entrar em circuito também acaba depondo contra.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus