EU MATEI MINHA MÃE

EU MATEI MINHA MÃE

(J'ai tué ma mère)

2009 , 105 MIN.

Gênero: Drama

Estréia: 01/10/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Xavier Dolan

    Equipe técnica

    Roteiro: Xavier Dolan

    Produção: Xavier Dolan

    Fotografia: Stéphanie Anne Weber Biron

    Trilha Sonora: Nicholas Savard-L'Herbier

    Estúdio: Mifilifilms

    Distribuidora: Alberto Bitelli International Films

    Elenco

    Anne Dorval, François Arnaud, Monique Spaziani, Niels Schneider, Patricia Tulasne, Suzanne Clément, Xavier Dolan

  • Crítica

    30/09/2010 12h47

    Escrever, dirigir e fazer o papel principal de seu próprio filme, qualquer um pode fazer. Agora, escrever (aos 16 anos de idade), dirigir (aos 20), fazer o papel principal, ganhar três prêmios em Cannes e ainda representar o seu país no Oscar, aí o buraco já é bem mais embaixo.

    É justamente este o caso de Eu Matei Minha Mãe, escrito, dirigido e interpretado por Xavier Dolan. Quer mais? O rapaz fez tudo isso com seu filme de estreia como diretor, e toda a história foi baseada em sua própria vida.

    Indicado pelo Canadá para concorrer a uma indicação ao Oscar 2010 na categoria Filme Estrangeiro, Eu Matei Minha Mãe narra a história de Hubert (Xavier Dolan, claro), adolescente que, como qualquer adolescente, flutua sem cerimônia pela fina linha que divide a mais profunda raiva da mais pura euforia, misturando sentimentos e exacerbando todos os sentidos à enésima potência, no menor prazo de tempo possível. Como alvo principal, Hubert elege o mais próximo: sua mãe Chantale (Anne Dorval), que cria o garoto sozinha, e passa a ser ao mesmo tempo a maior vítima e a maior repositória das alterações de humores e amores do rapaz.

    Tudo, porém, dentro de uma linguagem leve - eventualmente cômica - que evita grandes perturbações e prefere enfocar o tema com frescor e otimismo.

    Eu Matei Minha Mãe recebeu o Prêmio Internacional do Júri na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o Prix SACD, o Prix Regards Jeune, o Art Cinema Award (estes três no Festival de Cannes – Quinzena de Realizadores) e o Prêmio da crítica no Palm Springs Internacional Film Festival.

    Talvez tenha havido um certo exagero, já que o filme não chega a jogar nenhuma nova luz sobre o tema, e se limita a um (bom) entretenimento sem maiores compromissos e/ou questionamentos mais aprofundados. Simpático, tem potencial para agradar ao grande público, ainda que com lançamento pequeno.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus