FALANDO DE SEXO

FALANDO DE SEXO

(Speaking of Sex)

2001 , 96 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • John McNaughton

    Equipe técnica

    Roteiro: Gary Tieche

    Produção: Rob Scheidlinger

    Fotografia: Ralf D. Bode

    Trilha Sonora: George S. Clinton

    Elenco

    Bill Murray, James Spader, Jay Mohr, Lara Flynn Boyle, Melora Walters

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Se você é uma pessoa de riso fácil, dessas que acham a maior graça em piadas que não provocam riso em ninguém, não deixe de ver a comédia canadense Falando de Sexo, a insossa tentativa do diretor John McNaughton (Garotas Selvagens) de fazer um filme bem-humorado sobre crises conjugais. Se, no entanto, rir à toa não é o seu caso, evite sair do cinema frustrado.

    À primeira vista, o elenco de bons nomes para o humor, como Bill Murray, Lara Flynn Boyle, James Spader e Catherine O' Hara, pode levar o espectador a pensar que se trata de um filme, no mínimo, mediano, mas nem mesmo esta turma consegue salvar o pobre roteiro do estreante Gary Tieche.

    Para quem quiser encarar, aqui vai a história. Um casal em crise, Dan (Jay Mohr, de 200 Cigarros) e Melinda (Melore Walters, de Magnólia) resolve procurar a ajuda de uma terapeuta conjugal (Lara Flynn Boyle) para tentar resolver o problema da falta de entusiasmo do "Sr. Feliz". Este, o espectador descobre logo, é o apelido dado pelos dois ao pênis de Dan que, a despeito do nome, não anda nada feliz. Melinda acha que o problema é com ela, visto que o "Sr. Feliz" não se intimidou diante de uma transa ocasional com uma garçonete.

    Vendo que a Melinda está depressiva, a dra. Emily resolve indicá-la a um amigo de profissão especializado no assunto, o dr. Roger (James Spader), um tipo estabanado que também está passando por uma crise no casamento. Carentes e confusos, Emily e Roger acabam transando no elevador do prédio onde fica o consultório do terapeuta. Resultado: quando sabe que Roger transou com a paciente, a dra. Emily fica fula da vida e resolve denunciá-lo a conselho regional de terapeutas, cuja a advogada durona, Connie Barker (Catherine O'Hara, de Os Fantasmas se Divertem), convence Melinda a processar Roger por imperícia médica em US$ 30 milhões. Para defendê-lo, entra em cena o também implacável advogado Ezri Stovall (Bill Murray, de Encontros e Desencontros). Daí em diante, tem início um duelo judicial permeado pelas narrativas eróticas de Melinda sobre sua transa com o dr. Roger.

    Falando de Sexo é mais um caso típico de filme com mote interessante, mas mal aproveitado. Culpa do roteiro pouco original e recheado de esquetes sem graça.Tudo soa exagerado, da interpretação dos atores - o bom James Spader, por exemplo, está o supra-sumo da caricatura - até as situações supostamente engraçadas do filme. Chega um ponto em que o sem graça começa a ficar enfadonho. Ao final do filme, o espectador já está irritado e olhando para o relógio.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus