FAST FOOD FAST WOMEN

FAST FOOD FAST WOMEN

(Fast Food Fast Women)

2000 , 100 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Amos Kollek

    Equipe técnica

    Roteiro: Amos Kollek

    Produção: Hengemeh Panahi

    Fotografia: Jean-Marc Fabre

    Trilha Sonora: David Carbonara

    Elenco

    Anna Thomson, Jamie Harris, Lonette McKee, Louise Lasser, Robert Modico, Victor Argo

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Desde que a expressão “cinema americano independente” começou a se popularizar como gênero cinematográfico, o adjetivo “simpático” passou a ser um dos mais coerentes para caracterizar este tipo de filme. Com diálogos divertidos, personagens inteligentes e situações similares com as das sitcoms televisivas, o chamado filme americano independente rapidamente conquistou fãs no mundo inteiro e provou que existe, sim, vida inteligente no país dos efeitos especiais.

    Rapidamente, porém, a fórmula deu sinais de cansaço. Hoje, os “filmes americanos independentes” estão muito parecidos uns com os outros. Mesmo quando não são cem por cento americanos. É o caso de Fast Food, Fast Women, comédia com toques dramáticos co-produzida entre EUA, França e Itália.

    Tudo gira em torno de Bella (Anna Levine), uma garçonete nova-iorquina que passa a questionar suas opções de vida, dias antes de completar 35 anos. Sua mãe praticamente a despreza, seu amante, casado, não tem a menor intenção de abandonar a esposa e o seu emprego está longe de ser o mais excitante do mundo. É hora de mudar tudo. Mas, como? Tateando. Experimentando. Vivendo e deixando o acaso chegar.

    O roteiro do filme tem o estilo da própria personagem. Ele também tateia, experimenta, às vezes acerta e às vezes erra, mas termina com uma boa dose de otimismo. Mistura romance, drama e comédia e deixa no espectador um leve sorriso irônico, no final da projeção.

    Fast Food, Fast Women também é um entretenimento “fast”. Cinematograficamente falando, ele pode não ser um grande e inesquecível jantar, mas é um satisfatório lanchinho ligeiro.

    O roteirista e diretor israelense Amos Kolleck ganhou por este filme um Prêmio Especial no Júri Ecumênico no Festival de Cannes do ano passado.

    30 de julho de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus