FEITIÇO DO CORAÇÃO

FEITIÇO DO CORAÇÃO

(Return to Me)

1999 , 116 MIN.

Gênero: Romance

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Bonnie Hunt

    Equipe técnica

    Roteiro: Bonnie Hunt, Don Lake

    Produção: Jennie Lew Tugend

    Fotografia: László Kovács

    Trilha Sonora: Nicholas Pike

    Estúdio: MGM

    Elenco

    Bonnie Hunt, Carroll O'Connor, David Alan Grier, David Duchovney, Minnie Driver, Robert Loggia

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Esta é para os especialistas em comédias românticas. Veja só: casal feliz vive maravilhosamente bem. Não longe dali, garota espera na fila por um transplante de coração. Falta doador. Não mais que de repente, a mulher do casal feliz morre num acidente de trânsito. Traumatismo craniano. A tal garota consegue o tão esperado coração. Em meio a tudo isso, há um viúvo inconsolável.

    A partir daí, qualquer pessoa com um mínimo de horas de vôo assistindo a filmes da Meg Ryan já pode prever o que vai acontecer. Assim é Feitiço do Coração, um filme que ousa não ousar. Estreando na direção, a atriz Bonnie Hunt (que também atua no filme, no papel de Megan) preferiu repetir as velhas e sempre eficientes fórmulas das comédias românticas: antigas canções clássicas do repertório americano, longos planos de helicóptero, locações na Itália, velhinhos simpáticos, uma cantina, um previsível e bem-vindo final feliz. Só faltou a Meg Ryan, aqui substituída pela sempre ótima Minnie Driver.

    Com todos estes elementos bem misturados, fica difícil errar. Assim como também fica difícil criar. Feitiço do Coração é uma mistura – bem equilibrada, é verdade – de tudo o que já foi feito antes, no gênero. De Feitiço da Lua a Sintonia de Amor. De Só Você a Surpresas do Coração. Até o título em português parece querer confundir o espectador com outras produções parecidas, mesmo porque não tem “feitiço” nenhum no roteiro.

    O filme é com uma boa pizza de mussarela: quem pede já sabe exatamente o sabor que vai encontrar, e não se decepciona. Mas está longe de ser uma fina iguaria. A única azeitona estragada é a presença de David Duchovny (o astro de Arquivo X) no papel masculino principal, sem carisma nem tempero.

    15 de agosto de 2000
    ------------
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão, e do Canal 21.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus