Força Maior

FORÇA MAIOR

(FORCE MAJEURE)

2014 , 118 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 05/03/2015

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ruben Östlund

    Equipe técnica

    Roteiro: Ruben Östlund

    Produção: Erik Hemmendorff, Marie Kjellson

    Fotografia: Fredrik Wenzel

    Trilha Sonora: Ola Fløttum

    Estúdio: Plattform Produktion

    Montador: Jacob Secher Schulsinger

    Distribuidora: Califórnia Filmes

    Elenco

    Adrian Heinisch, Brady Corbet, Clara Wettergren, Fanni Metelius, Jakob Granqvist, Johannes Kuhnke, Johannes Moustos, Jorge Lattof, Julie Roumogoux, Karin Myrenberg, Karl Pincon, Kristofer Hivju, Lisa Loven Kongsli, Michael Breitenberger, Peter Gaunt, Vincent Wettergren

  • Crítica

    03/03/2015 14h19

    Vencedor do Prêmio do Júri na mostra paralela Un Certain Regard no último Festival de Cannes, Força Maior trata o cotidiano mais banal com sensibilidade e rigor estético, mérito do jovem diretor sueco Ruben Ostlund

    Força Maior começa com a chegada de um casal e seus dois filhos para uma viagem de férias aos Alpes Franceses. Tudo começa bem entre Ebba (Lisa Loven Kongsli) e Tomas (Johannes Kuhnke), até que os dois são surpreendidos por uma avalanche. Ela chama pelo marido tentando proteger os filhos, mas ele foge pensando apenas em salvar a própria vida.

    A avalanche aí é tanto real quanto simbólica. O evento da natureza é sinal de algo maior, como se trouxesse para a superfície os problemas não resolvidos deste relacionamento. Cena a cena, quadro a quadro, o casal é descontruído. Afinal, o quanto eles se conhecem? 

    Tudo se torna ainda mais intenso com as gigantescas montanhas como cenário. Por vezes a ambientação é tão perturbadora que o diretor cria um clima que lembra os melhores trabalhos de Stanley Kubrick, como os corredores do hotel enquadrados de maneira irritantemente simétrica ou as longas cenas estáticas das gigantescas montanhas cobertas de neve.

    Em meio aos trechos de As Quatro Estações de Vivaldi executados repetidamente o casal mergulha nessa espiral de estranhamento, nos colocando em uma posição de certo desconforto. A alternância entre sequências de grande intensidade dramática com situações ridiculamente engraçadas é tão natural que a fácil identificação é imediata.

    O diretor ainda encontra espaço para ironizar os "problemas de primeiro mundo" vividos pelos protagonistas, tão presos em suas próprias caricaturas. Força Maior na verdade é construído para mostrar essa eterna luta para desconstruir os papéis até então pré-determinados no casamento moderno. Macho alfa, mulher indefesa, tudo cai por terra com o olhar atento de Ostlund.

    Sem cair no drama fácil ou nas situações exageradas, o longa é propositalmente contido para atingir exatamente o tom que queria. Reflexivo, filosófico e extremamente bem atuado, Força Maior é um dos filmes mais intrigantes que você verá neste ano.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus