G. I. JOE 2: RETALIAÇÃO

G. I. JOE 2: RETALIAÇÃO

(G. I. Joe 2: Retaliation)

2013 , 110 MIN.

10 anos

Gênero: Ação

Estréia: 29/03/2013

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jon M. Chu

    Equipe técnica

    Roteiro: Paul Wernick, Rhett Reese

    Produção: David Ellison

    Fotografia: Stephen F. Windon

    Trilha Sonora: Henry Jackman

    Estúdio: Silver Watch Productions, Skydance Productions

    Distribuidora: Paramount Pictures Brasil

    Elenco

    Aaron V. Williamson, Adam Vernier, Adrianne Palicki, Ajay Mehta, Amin Joseph, Amy Le, Andre Allemand, Andrew Serpas, Annie May Gay, Anthony A. Kung, Arnold Vosloo, Augustus Cho, Austin Naulty, Beau Brasseaux, Benjamin Blankenship, Brittney Alger, Bruce Willis, Byung-hun Lee, Carlos Retana Jr., Catherine Kim Poon, Channing Tatum, Chip Carriere, Cody Dickinson, Corinne Massiah, Cynthia LeBlanc, D.J. Cotrona, Diezel Ramos, Dikran Tulaine, Dustan Costine, Dwayne Johnson, Eddie Hargitay, Edward J. Clare, Edward R. Cox, Elodie Yung, Elton LeBlanc, Elvin Yoshida, Eric Hennig, Evlin Lake, Faran Tahir, Fernandez Osvaldo, Gene Kevin Hames Jr., Geoffrey Howe, Grant Goodman, Han Soto, Ilia Volok, James Rawlings, James Ricker II, Jim Gunter, Jim Palmer, Joanna Leeds, Joe Chrest, Joe Rohaley, John C. Klein, John L. Armijo, Jonathan Pryce, Jordon Michael Corbin, Joseph Cintron, Joseph Mazzello, Kage Havok, Ken Massey, Ladson Deyne, Laura Muse Jackson, Lauren Thomas, Marcelo Tubert, Mark Krutov, Matt Gerald, Michael AvMen, Michael Howe, Michael O'Regan, Michael Patrick Rogers, Michael Wozniak, Mike Mayhall, Nadi Berenger, Nathan Takashige, Nicholas Simmons, Phil Austin, Phil Ortiz, Philippe Radelet, Rachel G. Whittle, Raja Deka, Ravi Naidu, Ray Park, Ray Stevenson, Rene Fabre, Rey Hernandez, Robert Catrini, Robert Remus, RZA, Seth Sieunarine, Shawn M. Richardz, Shawn Sanz, Sione Ma'umalanga, Skai Jackson, Skipper Landry, Stephen Daniel Wayne, Stephen Livaudais, Steve M. Hammond, Terry Dale Parks, Terry Lee Smith, Tiffany Lonsdale, Timothy Bruns, Tom Bubrig, Tom Cain, Travis Wong, Trey Burvant, W. Dante Ha, Walton Goggins, WBBrown II

  • Crítica

    28/03/2013 13h31

    Por Daniel Reininger

    Quando brinquedos são levados para as telonas ninguém espera uma obra-prima capaz de redefinir o cinema, mas sim aventura, correria, explosões e garotas sensuais, tudo para divertir adolescentes e fãs de ação. Com o sucesso de público de G.I.Joe, uma segunda aventura dos Comandos em Ação era esperada. Porém, mais do que uma continuação, o novo filme é praticamente um reboot, pois muda tudo em relação ao primeiro, dos personagens ao visual. Isso seria algo bom, se o custo não fosse a diversão.

    Para quem não se lembra, G.I. Joe - A Origem de Cobra era uma montanha russa de ação e humor, repleto de personagens extravagantes. A sequência, Retaliação, prometia seguir a mesma linha, mas corria o risco de cair no erro de outro filme da Hasbro, Transformers 2, caso investisse em piadas toscas e cenas de ação grandiosas e cansativas. Por sorte, o diretor Jon M. Chu (Justin Bieber: Never Say Never) evita cometer os erros de Michael Bay, porém, ignora alguns dos melhores pontos da franquia ao deixar o tom sério, o que não faz sentido com a proposta do longa.

    G. I. Joe 2 começa exatamente após os eventos do filme de 2009. Com o Comandante Cobra e Destro presos, cabe ao vilão Zartan (Arnold Vosloo) tomar o lugar do presidente dos Estados Unidos e iniciar uma campanha agressiva para desestabilizar o mundo, liberar seu líder e desacreditar os Joes. Após eliminar praticamente todos os soldados da tropa de elite, cabe a Roadblock (Dwayne Johnson) liderar o restante da equipe e desmascarar o impostor.

    Boa parte do longa gira em torno da investigação sobre quem traiu o grupo e por quê. É interessante ver o roteiro tentar ir além do universo simplista proposto pelos brinquedos. O problema é os heróis fundamentarem suas teorias em fatos irrelevantes e ainda quase convencerem o General Joe Colton (Bruce Willis). Para manter a credibilidade do filme, Colton pede mais provas (ainda bem). Para consegui-las, Lady Jaye precisa entrar de penetra em uma festa com figurões do alto escalão do governo, porém a cena é mal conduzida e se mostra uma versão “for dummies” de Missão Impossível ou 007.

    Obviamente, tudo funciona melhor quando a pancadaria volta a comer solta e esconde os buracos de roteiro. Afinal, ninguém vai ao cinema para ver G.I. Joe esperando fazer algum tipo de reflexão, a ideia é colocar o cérebro de molho e se divertir com o absurdo. O melhor momento do filme é a invasão de Snake Eyes e Jynx a um monastério no Himalaia. A luta em meio aos picos com ninjas pendurados por cordas é sensacional e vale o ingresso. Sem falar que justifica o atraso de vários meses para adicionar efeitos 3D, superior a Os Vingadores, por exemplo.

    G. I. Joe 2: Retaliação é um dos poucos casos em que incluir mais ação e explosões seria o caminho certo a seguir. O filme tem bons pontos: Dwayne Johnson é uma ótima adição à franquia, as roupas e veículos são mais fieis aos brinquedos e a trama é mais interessante e, mesmo assim, a coisa não engata. Há muitas mudanças bruscas de ritmo e uma diminuição na escala dos combates. Nas mãos de um bom diretor, ou até mesmo de Michael Bay, essa sequência poderia superar o original. Ao invés disso, temos um show de potencial desperdiçado.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus