GARFIELD, O FILME

GARFIELD, O FILME

(Garfield)

2003 ,

Gênero: Animação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Peter Hewitt

    Equipe técnica

    Roteiro: Alec Sokolow, Joel Cohen

    Produção: John Davis

    Fotografia: Dean Cundey

    Trilha Sonora: Rupert Gregson-Williams

    Elenco

    Alan Cumming, Bill Murray, Brad Garrett, Breckin Meyer, Debra Messing, Jennifer Love Hewitt

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Para dizer a verdade, desde o início achei que Garfield, O Filme seria uma bomba. Afinal, mexer com esses ícones infantis é como cutucar uma colméia: ou você se pica ou fica amigo dos insetos. Pela primeira vez, após 25 anos de carreira nos quadrinhos, o gato mais preguiçoso do planeta ganha as telonas em um filme que mistura live action (ou seja, ação com atores em carne e osso) e animação. A expectativa, portanto, era grande. E posso dizer que a decepção não foi tanta. Claro que Garfield - O Filme traz algumas delas, mas o saldo final é positivo.

    Sobre o personagem principal não é necessário falar muito. Afinal, todos já leram pelo menos uma de suas tirinhas, já publicadas em 2.600 jornais no mundo todo. É o gato egocêntrico, laranja, gordo, fã de lasanha e inimigo das segundas-feiras que protagoniza esse longa, dirigido por Peter Hewitt. Garfield mora em uma casa que fica num subúrbio qualquer dos EUA com seu dono Jon (Breckin Meyer). Só que as atenções começam a se voltar para outro lugar e Garfield não gosta nada disso: seu dono, para impressionar a bela veterinária Liz (Jennifer Love Hewitt) - em quem está de olho, apesar se ser um verdadeiro poço de timidez e insegurança -, leva para casa o cão Odie que, claro, é motivo para que Garfield fique morrendo de ciúmes. No começo, o gato fanfarrão não mede esforços para judiar do cãozinho, mas, à medida em que a fita avança, surge um companheirismo entre os dois animais. Geralmente velado nos quadrinhos, o sentimento é escancarado em Garfield - O Filme quando o esperto Odie é seqüestrado pelo apresentador de TV Dr. Feliz (Stephen Tobolowsky) e o gato deixa o sedentarismo de lado para recuperá-lo.

    No filme, Garfield é tão mau, preguiçoso, fanfarrão, glutão e folgado quanto nas tirinhas desenhadas por Jim Davis. O único personagem digital do longa não poderia ter sido feito de outra forma - seria um milagre encontrar um gato com as características físicas do nosso anti-herói. Achado mesmo foi o cão que faz o Odie que, apesar de ser mais acrobata do que o cão lambão dos desenhos, é tão adorável e bobo quanto o original. Agora, para os fãs mais exigentes de Garfield, a caracterização de Jon deve incomodar um pouco. Sim, Breckin Meyer tem a mesma cara de bobo que o dono do gato sustenta, mas, nas tirinhas, Jon é muito mais perdedor do que o personagem do filme. Quando que ele conquistaria uma moça, ainda mais do naipe de Jennifer Love Hewitt? O charme de Jon sempre foi esse seu aspecto loser, o que não foi mantido com tanta fidelidade no filme.

    Mesmo assim, Garfield - O Filme cumpre bem sua função de despertar sentimentos nostálgicos nos mais velhos e, também, a curiosidade dos pequenos em ler as histórias em quadrinhos do gato. Portanto, a diversão é garantida para ambas as idades. Capaz até de o filme alegrar alguma segunda-feira chata que estiver em seu caminho.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus