GIRIMUNHO

GIRIMUNHO

(Girimunho)

2011 , 90 MIN.

10 anos

Gênero: Drama

Estréia: 27/04/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Clarissa Campolina, Helvécio Marins Jr.

    Equipe técnica

    Roteiro: Felipe Bragança

    Produção: Gudula Meinzolt, Luana Melgaço, Luis Miñarro, Paulo de Carvalho, Sara Silveira

    Fotografia: Ivo Lopes Araújo

    Estúdio: Autentika Films, Dezenove Som e Imagens, Eddie Saeta S.A, TEIA Filmes

    Elenco

    Gomes de Moura, Luciene Soares da Silva, Maria da Conceição, Maria Sebastiana, Martins Álvaro, Wanderson Soares da Silva

  • Crítica

    23/04/2012 19h00

    Girimunho é representante de um tipo de cinema nacional recente que faz a alegria do “público de festival”, mas não entusiasma distribuidores e exibidores. Prova disso está no reconhecimento que recebeu em festivais e o fato de entrar em cartaz em uma única sala de cinema em São Paulo.

    Como outros de sua geração, o longa busca diálogo muito mais com a imagem do que com a narrativa, fazendo da contemplação da vida seu objeto de estudo. A vida que contempla é de Bastú (Maria Sebastiana Alves), uma senhora de avançada idade que vive em São Romão, no sertão de Minas Gerais. Após o falecimento de seu marido Feliciano, resta a ela a companhia dos netos e da vizinha tocadora de batuque. Um universo estreito que passa a se desdobrar em suaves tonalidades de sons e silêncios pertencentes a um cotidiano particular.

    Assim, o filme caminha pela indefinição entre o documental e o ficcional, outra característica que vem se repetindo neste cinema “autoral” que desponta pelo país. Bastú interpreta a si mesma e a seu dia-a-dia. Entre o simulado e o espontâneo – que também afeta a todos os outros personagens do filme – ela é condutora e objeto da tênue narrativa que se monta a partir de seu olhar sobre a vida.

    Em Girimunho, que quer dizer redemoinho, os diretores Helvécio Marins e Clarissa Campolina buscam a poesia da passagem de tempo em um lugar onde o tempo passa num ritmo diferente. Metáforas com o rio e com a morte, despedidas que simbolizam o luto e a cadência da continuidade do mundo fazem parte do jogo de sentidos que o filme traz. É poético na sua construção e apresenta uma fotografia que consegue captar a beleza delicada desse processo.

    Dentro de sua proposta autoral, de busca por uma revelação de lugar e tempo, de engrenagens intangíveis que movem o cotidiano de um espaço atemporal, o filme dialoga com delicada poesia. Tem na prosódia de seus diálogos um flerte com o sertão mítico de Guimarães Rosa, mas sem a parte da aventura. Por outro lado, Girimunho é o que se chama de “filme miúra”, cujo principal problema é encasular-se dentro de si, restringindo-se a um público supostamente iniciado e que está antecipadamente predisposto a absorvê-lo e digeri-lo. Não é feito para grandes plateias, apesar da beleza que desponta de suas imagens.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus