poster do filme han solo

HAN SOLO - UMA HISTÓRIA STAR WARS

(Solo – A Star Wars story)

2018 , 135 MIN.

12 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 24/05/2018

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ron Howard

    Equipe técnica

    Roteiro: George Lucas, Jon Kasdan, Lawrence Kasdan

    Produção: Allison Shearmur, Kathleen Kennedy, Kiri Hart, Simon Emanuel, Susan Towner, Will Allegra

    Fotografia: Bradford Young

    Trilha Sonora: John Powell

    Estúdio: Allison Shearmur Productions, Imagine Entertainment, Lucasfilm, Walt Disney Pictures

    Montador: Chris Dickens, Pietro Scalia

    Distribuidora: Disney

    Elenco

    Alden Ehrenreich, Clint Howard, Deepak Anand, Donald Glover, Emilia Clarke, Harley Durst, Ian Kenny, Izzy Bayley-King, Jackson Kai, Jo Wheatley, Jon Favreau, Joonas Suotamo, Lily Newmark, Paul Bettany, Phoebe Waller-Bridge, Ray Whelan, Richard Dixon, Sarah-Stephanie, Slim Khezri, Thandie Newton, Warwick Davis, Woody Harrelson

  • Crítica

    17/05/2018 16h45

    Por Daniel Reininger

    É justo dizer que praticamente todo fã de Star Wars veria feliz um filme sobre as origens de Han Solo. Por isso, a Disney decidiu investir nesse derivado logo de cara, para alegria de muitos. Só que rumores de problemas no set, a demissão dos diretores Phil Lord e Chris Miller, além de trailers e imagens nada animadores acabaram com a esperança de muitos. Então é um alívio saber que esse longa não é um completo desastre, embora não seja nada demais também.

    O novo spin-off da franquia espacial criada por George Lucas oferece bastante entretenimento, cenas interessantes e um mergulho no lado sujo e desumano do universo de Star Wars, algo que particularmente gosto bastante. Entretanto, a realidade é que nada justifica a existência desse filme, por mais que nós, fãs, tentemos ver um motivo para essa produção chegar aos cinemas.

    + Conheça o submundo do crime de Star Wars

    O longa agrada pelo clima, cenas de ação e quantidades absurdas de fan service, mas o filme nunca cumpre a promessa de mostrar como Han se tornou a pessoa de Uma Nova Esperança. Apenas explica como ele conseguiu a Millenium Falcon, seu companheiro Chewie e seu blaster.

    É decepcionante ver Han Solo como um ingênuo bandido de rua, que acha que é malandro, mas passa mais tempo como "poser" do que como o mercenário enganador que conhecemos. É decepcionante também que o protagonista termine o filme da mesma maneira como começou, deixando de lado um dos aspectos mais importantes da trilogia original: a maneira como evolui de um mercenário a um herói da Aliança Rebelde.

    Falta um arco de redenção, um momento de epifania, um trauma, qualquer coisa que justifique Han Solo ser quem é. Aparentemente, o que definiu o personagem como conhecemos aconteceu na infância dele, época difícil e apenas citada nesse filme de origem.

    Frustrante também a falta de surpresas, tudo acontece exatamente como esperado. Embora a aventura seja ótima, é difícil se animar com uma narrativa tão óbvia. Pelo menos, o filme é tão redondo a ponto de manter a atenção do espectador ao longo da história. É incrível o quanto ambientar uma trama simples no universo de Star Wars e tocar músicas temas da franquia ajudam a fazer praticamente qualquer cena se tornar relevante e, de quebra, esconde os inúmeros defeitos da trama.

    Um dos problemas, por exemplo, é que o enredo é tedioso por bastante tempo, algo que só muda quando Han encontra Lando. Fato é que a juventude dura de Han é sem graça, afinal, era óbvio que o trapaceiro teve uma vida sofrida e mesmo sua vida como cadete imperial é apenas pincelado. Mostrar isso, sem acrescentar nada novo, é só perder tempo. 

    Os novos personagens estão lá pura e simplesmente para cumprirem tabela. Woody Harrelson manda bem, embora interprete o mesmo tipo de mentor que vimos em Jogos Vorazes. Paul Bettany faz o que pode para dar vida ao sem graça vilão Dryden Vos, mafioso mais perto de ser um Lord Sith do que de um criminoso. Thandie Newton está ótima como Val, mas ela poderia ter mais espaço.

    E Emilia Clarke...bem....é Emilia Clarke, sempre sem graça, embora esse filme apresente uma de suas melhores atuações da carreira (não, isso não é um elogio). Ela nunca é misteriosa o suficiente para realmente intrigar e, apesar de importante para a trama, Qi'ra seria muito melhor aproveitada se fosse vivida por uma atriz mais talentosa.

    Dos novos personagens, quem rouba o show mesmo é a dróide L3-37, cuja personalidade é ainda mais forte do que o ótimo K2-SO de Rogue One. Seu vínculo com Lando é ousado, digno de elogios pela forma como é tratado sem medo e apenas reforça o óbvio: Quem deveria ter tido um filme solo é Lando Calrisian, vivido pelo incrível Donald Glover (alguém dá um Oscar pra esse cara logo!), e não esse Han Solo vivido pelo insosso Alden Ehrenreich.

    Dito isso, Alden Ehrenreich até faz um papel decente como Han...longe da versão original, mas bem ok, tenho que admitir. Chewbacca, por sua vez, ganha um merecido espaço e se torna mais interessante do que seu companheiro de aventuras. Já era hora.

    No final das contas, Han Solo - Uma História Star Wars é uma aventura leve e extremamente segura. Com belos cenários, ótima trilha, CGI de qualidade, boas cenas de ação e, de quebra, capaz de ampliar o Universo Star Wars dos cinemas de uma maneira interessante, como apenas quem leu o universo estendido conhecia. Embora a sensação ao final do filme seja de leve frustração, fica difícil falar mal de uma obra sem falhas grotescas, mesmo que não empolgue nunca.

    E outra, pelo menos o longa não tem nada parecido com os Ewoks ou Jar Jar Binks para enfurecer os fãs e isso já ajuda muito para esta produção não aparecer entre os piores filmes da franquia.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus