Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE - PARTE I

(Harry Potter and The Deathly Hallow: Part I, 2010)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa
16/11/2010 15h29
por Celso Sabadin
O filme se chama Harry Potter. Mas devia se chamar Hermione Granger. Afinal, é a garota interpretada pela ótima Emma Watson quem salva a pátria, resolve tudo, planeja as coisas com antecedência, é rápida de raciocínio, tem os feitiços certos na hora certa e rouba a cena. Como diz o próprio Ron Weasley a Harry Potter: “Ir embora sem a Hermione? Você está louco? Não sobreviveríamos dois dias sem ela”.

De qualquer maneira, prestes a chegar ao seu final, a saga Harry Potter parece perder o fôlego. Pelo menos no cinema. O sétimo e penúltimo longa-metragem de uma das mais bem sucedidas franquias da história sofre de um mal comum a outras sagas épicas contemporâneas: apoia-se no verbal, usa e abusa das palavras para sustentar a narrativa, desenvolve-se de maneira episódica e utiliza as imagens muito mais como uma rasa sedução espetacular que propriamente como o corpo da estrutura fílmica.

Percebe-se que o roteirista Steve Kloves (que roteirizou praticamente todos os episódios da série) deve ter tido um árduo trabalho em alinhavar todos os personagens necessários à continuidade da trama (que não são poucos), desenvolvê-los cinematograficamente, e ainda tomar o cuidado de relembrar a função de cada um deles, para quem não se recorda precisamente dos filmes anteriores. Não é tarefa fácil. Não são poucos os momentos de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I que passam a impressão de o filme ter sido feito somente para quem já leu os livros.

Neste penúltimo capítulo, as forças do Mal, lideradas por Voldemort (Ralph Fiennes), estão mais perto do que nunca. Agora fora dos muros de Hogwarts e sem a proteção do falecido Dumbledore, Harry (Daniel Radcliffe), Ron (Rupert Grint) e Hermione (Emma Watson) estão praticamente sozinhos na missão de encontrar e destruir as Horcruxes. Piorando a situação, a galera do Mal tomou posse também do Ministério da Magia, abrindo uma era de terror com vários elementos que remetem ao nazismo. Seria irônico dizer que, a exemplo de Hitler, McCarthy ou Bush – cada um na sua época – Voldemort implanta uma “caça às bruxas” no Ministério. Mas na verdade é uma caça aos não-bruxos, ou no linguajar da saga, aos Trouxas.

Coerente com a história que conta, trata-se de um dos filmes mais soturnos, densos e menos lúdicos de toda a série. Com tantos nomes a relembrar e tantas situações a desenvolver para pavimentar o caminho ao tão esperado epílogo, este Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I traz problemas de ritmo e não raro derrapa em seus longos 146 minutos de projeção.

Porém, dois dos aspectos mais positivos da franquia permanecem com altíssima qualidade: a impecável direção de arte que nos faz embarcar em toda a fantasia do filme, por mais inacreditável que ela possa ser (há cenas em que quase se sente o cheiro dos ambientes, tamanho o profissionalismo do desenho de produção), e a química do trio central de atores, que não perdeu o frescor e o carisma mesmo depois de quase 10 anos do primeiro episódio.

Para quem não se importar em ver hoje um filme que só vai terminar em 15 de julho de 2011, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I é um caldeirão cheio.

FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus