Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABAN

(Harry Potter and the Prisoner of Azkaban, 2004)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa
04/06/2004 00h00
por Roberto Guerra
Depois de assistir a Harry Potter e O Prisioneiro de Azkaban, adaptação do terceiro livro sobre as aventuras do jovem bruxo criado pela inglesa J.K. Rowling, a primeira conclusão que me veio à cabeça foi de que a série só saiu ganhando com a saída de Chris Columbus, diretor dos dois primeiros filmes, e a entrada em cena de Alfonso Cuarón, responsável por levar aos cinemas esta nova aventura.

O diretor, responsável pelos bem-sucedidos E Sua Mãe Também e A Pequena Princesa, conseguiu superar um obstáculo que parecia intransponível para Columbus, que era o de deixar a história atrativa também para os que nunca leram um livro de Harry Potter. Cuarón acrescentou mais ritmo, humor e aventura ao filme e não perdeu muito tempo tentando explicar com detalhes qualquer geringonça mágica que aparece em cena - como era praxe nos longas anteriores. Desta vez, a história flui sem maiores interrupções.

Não se pode negar, contudo, que o diretor e o roteirista Steve Kloves se beneficiaram do próprio enredo de O Prisioneiro de Azkaban, eleito por muitos leitores como o melhor livro da série. Neste terceiro filme, os personagens se humanizam e passam por transformações de ordem pessoal. Harry Potter, entrando na adolescência, não tolera mais os tios e foge de casa. A relação entre ele e os amigos Rony e Hermione amadurece e não é mais permeada por infantilidades como antes. Além disso, o filme flerta com temas como traição, discriminação entre classes, racismo e crises de identidade, o que ajuda a aproximar a trama do público.

Entre os novos perigos que Harry terá de enfrentar desta vez estão os temidos dementadores, sentinelas da prisão de Azkaban, que sugam a alma e a felicidade de quem encontram pelo caminho. Eles estão à procura do foragido Sirius Black (Gary Oldman), que seria braço direito de Lord Voldermont e responsável indireto pela morte dos pais de Harry.

Entram em cena também os animagos, bruxos (do bem ou do mal) que se disfarçam de animais, a criatura mágica Bicuço, um ser metade águia metade cavalo chamado hipogrifo, e a desmiolada professora de adivinhação Sibila Trelawney, interpretada com irreverência por Emma Thompson.

Fãs de velha data e marinheiros de primeira vão curtir.

FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus