HEDWIG - ROCK, AMOR E TRAIÇÃO

HEDWIG - ROCK, AMOR E TRAIÇÃO

(Hedwig and the Angry Inch)

2001 , 95 MIN.

16 anos

Gênero: Musical

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • John Cameron Mitchell

    Equipe técnica

    Roteiro: John Cameron Mitchell, Stephen Trask

    Produção: Christine Vachon, Katie Roumel, Pamela Koffler

    Fotografia: Frank G. DeMarco

    Trilha Sonora: Stephen Trask

    Estúdio: New Line Cinema

    Elenco

    Alberta Watson, Andrea Martin, Ben Mayer-Goodman, John Cameron Mitchell, Michael Pitt, Miriam Shor

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Certamente você já viu muitos filmes baseados em livros, em peças de teatro ou em histórias em quadrinhos. Mas que tal um filme baseado num show de travesti? Assim é Hedwig - Rock, Amor e Traição, produção independente norte-americana que foi uma das preferidas do público, na recente Mostra Internacional de São Paulo.

    A história conta a sofrida trajetória de Hedwig (John Cameron Mitchell), transexual alemão que desde garoto era apaixonado pela música americana, embora sua mãe preferisse o isolamento socialista da então Alemanha Oriental. Para transpor o Muro de Berlim, Hedwig se casa com um sargento do exército americano, iniciando assim sua atribulada vida de transformista e cantor alternativo.

    O personagem Hedwig é uma criação do próprio John Cameron Mitchel (que, além do papel principal, também roteiriza e dirige o filme) e do compositor Stephen Trask (visto aqui no papel de Skszp). Ambos começaram a encenar performances num bar de drag queens em Nova York e depois conseguiram levar o show para teatros off-broadway. O sucesso em palcos alternativos chamou a atenção da produtora cinematográfica Killer Filmes (a mesma de Felicidade e Meninos Não Choram) que convidou Mitchell e Trask a levarem o espetáculo para as telas.

    A crítica gostou do filme mais que o público: seu pequeno orçamento de US$ 6 milhões não retornou nas bilheterias norte-americanas, mas Hedwig... ganhou vários prêmios internacionais, incluindo o Teddy Bear no Festival de Berlim (premiação paralela dedicada a filmes gays) e dois troféus em Sundance.

    Hedwig - Rock, Amor e Traição não esconde suas origens teatrais. A história, contada por meio de vários flashbacks, tem início, meio e fim ambientados sobre palcos. É praticamente um grande show do transformista Hedwig cujo tema principal é a própria vida. Mesmo assim, o filme tem força e vigor para prender a atenção e a emoção das platéias abertas a experiências menos tradicionais.

    Direcionado a um público bastante específico, Hedwig - Rock, Amor e Traição merece ser conferido.

    12 de novembro de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus