HOLLYWOODLAND - BASTIDORES DA FAMA

HOLLYWOODLAND - BASTIDORES DA FAMA

(Hollywoodland)

2006 , 128 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 09/03/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Allen Coulter

    Equipe técnica

    Roteiro: Paul Bernbaum

    Produção: Glenn Williamson

    Fotografia: Jonathan Freeman

    Trilha Sonora: Marcelo Zarvos

    Estúdio: Miramax Films

    Elenco

    Adrien Brody, Ben Affleck, Bob Hoskins, Brad William Henke, Dash Mihok, Diane Lane, Joe Spano, Molly Parker, Robin Tunney, Walter Rinaldi

  • Crítica

    09/03/2007 00h00

    Se Dália Negra criou uma história fictícia em cima de um caso real acontecido nos bastidores do cinema, nos anos 40, Hollywoodland - Bastidores da Fama fez quase a mesma coisa: criou uma história fictícia em cima de um caso real acontecido nos bastidores da televisão nos anos 50. Porém, as semelhanças param por aí. Dália Negra era dirigido por um excelente cineasta (Brian de Palma) a partir do livro de um ótimo autor (James Ellory), enquanto Hollywoodland - Bastidores da Fama tem uma história fraca escrita pelo roteirista especializado em televisão Paul Bernbaum, que não dá o suporte necessário para a direção - elegante - de Allen Couter, também vindo da TV.

    Hollywoodland - Bastidores da Fama começa a desenvolver sua trama a partir da história verídica do suicídio do ator George Reeves (Ben Affleck), famoso nos anos 50 por interpretar o Super-Homem no antigo seriado de televisão. Porém, o detetive particular Louis Simo (Adrien Brody, de O Pianista) não acredita na hipótese de suicídio e começa a investigar o caso. Pelo caminho, ele descobre que George havia tido um romance proibido com a esposa de um poderoso chefão de Hollywood (Diane Lane, de Sob o Sol da Toscana), o que abre novos rumos para suas teorias.

    Hollywoodland - Bastidores da Fama bebe escancaradamente na fonte dos antigos film noir, com direito a vários clichês do gênero, incluindo mulheres fatais, traições, detetive enxerido tomando surra e assim por diante. O fato de sua ambientação ocorrer nos anos 50 contribui ainda mais para a criação deste clima. Tudo isso poderia ser visto até como uma homenagem ao gênero. O grande problema, contudo, é a fragilidade de seu roteiro vazio, que não consegue amarrar uma boa proposta e resulta perdido em conteúdo e intenções.

    De forma até surpreendente, o filme foi selecionado para a competição oficial do Festival de Veneza e rendeu para Ben Affleck o prêmio de Melhor Ator do evento.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus