INDOMÁVEL SONHADORA

INDOMÁVEL SONHADORA

(Beasts of the Southern Wild)

2012 , 93 MIN.

10 anos

Gênero: Drama

Estréia: 22/02/2013

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Benh Zeitlin

    Equipe técnica

    Roteiro: Benh Zeitlin, Lucy Alibar

    Produção: Dan Janvey, Josh Penn, Michael Gottwald

    Fotografia: Ben Richardson

    Trilha Sonora: Benh Zeitlin, Dan Romer

    Estúdio: Cinereach, Court 13 Pictures, Journeyman Pictures

    Distribuidora: Imagem Filmes

    Elenco

    Amber Henry, Dwight Henry, Gina Montana, Hannah Holby, Henry D. Coleman, Jay Oliver, Jimmy Lee Moore, Jonshel Alexander, Joseph Brown, Jovan Hathaway, Kaliana Brower, Kendra Harris, Levy Easterly, Lowell Landes, Nicholas Clark, Pamela Harper, Philip Lawrence, Quvenzhané Wallis, Roxanna Francis

  • Crítica

    20/02/2013 21h36

    É pelos olhos de uma menina de seis anos que mergulhamos na história desta produção cheia de poesia e realidade dirigida pelo estreante em longa-metragem Benh Zeitlin. O nome da garota de cabelos selvagens é Hushpuppy (Quvenzhané Wallis). Ela vive ao lado do pai nos alagadiços ao sul da Louisiana, um lugar mágico do seu ponto de vista, “cheio de gente de sorte que não têm de viver como os covardes por trás das barragens”. É esta localidade cheia de peculiaridades, conhecida como Banheira, que vamos paulatinamente conhecendo pela narração em off de Hushpuppy.

    A visão pueril da garota choca-se de imediato com a percepção do público adulto. Nossas intuições e sentimentos morais vão de encontro à percepção de Hushpuppy. Extrema pobreza, alcoolismo e negligência infantil são apenas as primeiras apreensões evidentes que temos. O realismo mágico trazido à tona pelo olhar da menina provoca uma bem-vinda irregularidade na coerência com a qual enxergamos seu mundo. E este é um dos acertos desta produção que nos leva a ver além da miséria humana que vitima a menina.

    Indomável Sonhadora é uma explosão de vida, de energia, de amor que não demora muito a despertar emoções diversas no espectador. O local fictício onde mora Hushpuppy existe do outro lado de um dique que protege os moradores de Louisiana não só da invasão das águas, mas resguarda também seus valores sociais contemporâneos. A Banheira, por outro lado, é vulnerável às enchentes, mas avessa à ordem estabelecida do lado de lá.

    A vida Hushpuppy parece terrível, selvagem em muitos aspectos. Ela perambula descalça no chão de terra junto a porcos e galinhas. Não mora no mesmo barraco insalubre do pai, mas num trailer próximo, sozinha. Seu pai, Wink Duchette, sofre de alguma doença grave não identificada e esta condição pode de alguma maneira explica porque ela vive separada dele, juntando-se ao pai somente na hora das refeições que este prepara de forma precária. Este a trata de forma rude, áspera, mas amorosa também. Sua mãe é presença etérea, memória tranquilizadora que a menina evoca em momentos difíceis.

    O diretor Benh Zeitlin, que coescreveu ao lado de Lucy Alibar, consegue extrair beleza e poesia dessa existência cruel e sem esperança, assim como vemos o belo na violência da natureza. O pai que definha vítima de uma doença, a possibilidade de ficar sozinha naquele mundo desolado e brutal coloca a jovem Hushpuppy no papel de vítima frágil de uma realidade feroz muito maior que ela, representada no filme por um bando de javalis pré-históricos chamados Auroques, que despertam do sono em uma geleira e partem em direção à menina corajosa.

    Com bela e pertinente fotografia granulada, Indomável Sonhadora oferece uma percepção fantástica de vida de uma criança em meio à rusticidade da natureza. A Banheira é um lugar singular, inóspito, repleto de personagens cuja infinita tristeza só se compara à sua vontade de resistir, a todo custo, como fizeram nossos ancestrais. Uma história pungente sobre a realidade dura de ter de crescer muito antes de seu tempo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus