INSTINTO SELVAGEM 2

INSTINTO SELVAGEM 2

(Basic Instinct 2)

2006 , 118 MIN.

18 anos

Gênero: Suspense

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michael Caton-Jones

    Equipe técnica

    Roteiro: Henry Bean, Leora Barish

    Produção: Andrew G. Vajna, Mario Kassar, Moritz Borman

    Fotografia: Gyula Pados

    Trilha Sonora: Jerry Goldsmith, John Murphy, John Scott

    Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Sony Pictures Entertainment

    Elenco

    Anne Caillon, Charlotte Rampling, David Morrissey, David Thewlis, Hugh Dancy, Iain Robertson, Sharon Stone, Stan Collymore

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    A primeira cena de Instinto Selvagem 2 faz pensar que será um bom filme de ação, mas não se engane. Esta seqüência do filme de 1992 é parada, repleta de diálogos enfadonhos que tentam criar um ambiente inteligente, sem êxito. O diretor Michael Caton-Jones (O Último Suspeito) não conseguiu manter o dinamismo e o clima de mistério envolvente do primeiro filme, mesmo por que o roteiro não ajuda nem um pouco. Depois de passado o encantamento diante da forma escultural de Sharon Stone aos 48 anos, torna-se cansativo e o único desejo que permanece é de que o filme termine logo.

    A escritora de suspenses policiais Catherine Tramell (Sharon Stone) agora está em Londres e, mais uma vez, sendo investigada pela polícia. A trama de Instinto Selvagem 2 começa com um acidente de carro que vitimou um de seus amantes. Ao que tudo indica, Catherine está sempre à procura de formas cada vez mais perigosas de diversão e isso a leva a ser analisada pelo psiquiatra londrino dr. Michael Glass (David Morrissey).

    O enredo principal do filme original praticamente se repete aqui. Vários assassinatos acontecem e todos possuem uma ligação com a escritora, mas nenhuma prova concreta de sua autoria. O psiquiatra envolve-se com Catherine e sua carreira começa a desmoronar. O jogo de sedução cria conflitos em sua mente e o dr. Glass não consegue mais definir a verdade, nem em quem confiar.

    Fazer uma seqüência depois de 14 anos parece mais uma maneira desesperada de promover a atriz Sharon Stone, em posições e cenas sensuais, mostrando que continua em ótima forma, apesar da idade. É difícil distinguir o que é pior: uma senhora querendo mostrar que ainda pode interpretar personagens jovialmente voluptuosas ou a tentativa de criar um filme lascivo, porém inteligente, com diálogos monótonos entre psicólogos arrogantes.

    No meio de tanta confusão psicológica criada pelo enredo, nem tudo está perdido em Instinto Selvagem 2. Há eficientes interpretações, como a de David Morrissey (Fora de Rumo) na pele do psiquiatra e David Thewlis (Sete Anos no Tibete) como o detetive da Scotland Yard, Roy Washburn.

    A curiosidade poderá levar muita gente às salas de cinema, mas aqueles que assistiram ao primeiro filme, com certeza, se decepcionarão. Definitivamente, Instinto Selvagem 2 foi um passo em falso na carreira de Sharon Stone. Como ela mesma disse, "um vexame".

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus