ÍRIS

ÍRIS

(Iris)

2001 , 90 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Richard Eyre

    Equipe técnica

    Roteiro: Charles Wood, Richard Eyre

    Produção: Robert Fox, Scott Rudin

    Fotografia: Roger Pratt

    Trilha Sonora: James Horner

    Elenco

    Barbara Leigh-Hunt, Eleanor Bron, Hugh Bonneville, Jim Broadbent, Judi Dench, Juliet Aubrey, Kate Winslet, Penelope Wilton, Saira Todd, Samuel West, Timothy West

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Existem papéis que caem do céu para determinados atores. Principalmente nos filmes ingleses. Numa época dominada pelos efeitos especiais e pela correria, é uma verdadeira bênção para os bons intérpretes encontrar papéis tão gratificantes quanto os do drama romântico Íris. São quatro excelentes intérpretes para dois fascinantes personagens: Jim Broadbent (de Moulin Rouge) e Judi Dench (de Chocolate) vivem, respectivamente, John e Iris na velhice. Enquanto Hugh Boneville e Kate Winslet (de Titanic) formam o mesmo casal em sua fase jovem.

    Baseado no livro autobiográfico de John Bailey, Íris conta a história real da escritora britânica Iris Murdoch e de seu marido, também escritor. A ação ocorre paralelamente em duas épocas: nos anos 50, quando o jovem casal explode em paixões, dúvidas e transgressões, e nos dias atuais, quando o mal de Alzheimer começa a abater a fogosa personalidade da escritora. Trata-se do típico caso de atração dos opostos. Desde os primeiros encontros, Íris se mostra inquieta, aberta a todas as experiências da vida, revolucionária, instigante. John, por outro lado, é um rapaz conservador, de sentimentos travados, mas disposto a tudo para conquistar o seu amor. Na velhice, os papéis se invertem. O pacato John tem de buscar forças e atitudes no fundo de sua alma para servir de suporte a uma mulher dominada pela doença.

    A sóbria direção do britânico Richard Eyre – também um dos autores do roteiro – dá ao filme um tom digno, longe do espetaculoso vulgar. Não existe a busca fácil pelo grande momento lacrimejante. Os atores são os grandes pilares de Íris. Hugh Boneville, que fez um pequeno papel em Um Lugar Chamado Notting Hill, é impressionantemente parecido com seu “correspondente” idoso vivido por Broadbent. Não por acaso, todo o elenco de Íris foi presença constante nas mais variadas premiações e festivais realizados pelo mundo, no ano passado. De Berlim ao Oscar. Do Globo de Ouro ao Bafta.

    Até o público norte-americano, fã de um tipo de cinema mais acelerado, se rendeu às qualidades do filme. Contrariamente à praxe do mercado, Íris estreou nos EUA em dezembro de 2001 em apenas duas salas. Dobrou no mês seguinte. Passou para 40 salas em fevereiro, 140 em março e chegou a 220 em abril.
    Deus salve o cinema inglês!

    13 de maio de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus