pôster julieta ff

JULIETA

(Julieta)

2016 , 96 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 07/07/2016

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Pedro Almodóvar

    Equipe técnica

    Roteiro: Alice Munro, Pedro Almodóvar

    Produção: Agustín Almodóvar, Esther García

    Fotografia: Jean-Claude Larrieu

    Trilha Sonora: Alberto Iglesias

    Estúdio: El Deseo S.A.

    Montador: José Salcedo

    Distribuidora: Universal Pictures Brasil

    Elenco

    Adriana Ugarte, Agustín Almodóvar, Bimba Bosé, Blanca Parés, Daniel Grao, Darío Grandinetti, David Delfín, Elena Benarroch, Emma Suárez, Esther García, Inma Cuesta, Jimena Solano, Joaquín Notario, Jorge Pobes, María Mera, Mariam Bachir, Michelle Jenner, Nathalie Poza, Paqui Horcajo, Pilar Castro, Priscilla Delgado, Ramón Agirre, Ramón Ibarra, Rossy de Palma, Sara Jiménez, Susi Sánchez, Tomás del Estal

  • Crítica

    04/07/2016 16h31

    Por Daniel Reininger

    Pedro Almodóvar decidiu adaptar três histórias da vencedora do Pulitzer, Alice Munro, sobre uma mulher chamada Julieta e o mistério sobre sua vida. O diretor mudou a história para Madrid e colocou sua assinatura na obra, como cores fortes e uma pitada de melodrama, para melhor explorar a vida de uma mulher ao longo de três décadas. Consegue criar uma obra interessante, porém sem o impacto pretendido.

    Na trama, Julieta (Emma Suarez) tem por volta de 50 anos e se prepara para mudar para Portugal com seu parceiro, Lorenzo. Pouco antes de ir embora, a mulher cruza com Bea, amiga de infância de sua filha. O encontro desestabiliza a protagonista e começamos a entender o motivo quando o longa volta 30 anos no passado para apresentar, em ordem cronológica, os eventos responsáveis por levar Julieta (interpretada por Adriana Ugarte em sua versão jovem) até aquele momento.

    O longa representa um retorno bem-vindo do cineasta à narrativa focada na visão feminina, que deu a Almodóvar seus maiores sucessos. Entretanto, Julieta está longe de ser o trabalho mais impactante ou divertido do diretor. Ao evitar comédia e apostar num drama denso, o cineasta cria uma obra pesada, sem muito espaço para momentos leves ou até mesmo catarse. Ainda assim, a mão de Almodóvar está clara ao longo de todo filme, especialmente no uso das cores dos ambientes.

    Na verdade, Almodóvar construiu um mistério pouco convencional, onde a protagonista é o enigma a ser decifrado e ela mesma tenta entender os acontecimentos responsáveis por seu sofrimento, enquanto a trama revela lentamente fatos e tragédias que marcaram sua vida para sempre. Quando a história volta a focar a Julieta madura, a encontramos cada vez mais abalada.

    Nesse ponto, a trama parece que vai começar a seguir por um caminho mais positivo, um que revele melhor as motivações dessas décadas de sofrimento ou, pelo menos, proporcione a necessária catarse. Entretanto, pouco é desenvolvido de fato nesse final e, sem proporcionar um encerramento necessário, o filme simplesmente acaba sem nunca fazer o drama de Julieta nos tocar de fato e sem resolver completamente os mistérios de sua vida.

    Para o longa funcionar mesmo diante desse problema é crucial a boa atuação tanto de Ugarte quanto de Suarez. As duas representam muito bem as fases da vida de Julieta, Ugarte é radiante e sexy, enquanto Suarez capta a complexidade e tristeza da personagem após muito tempo no limbo. As atuações das duas atrizes são ótimas e realmente ajudam a produção a parecer mais interessante do que realmente é.

    Julieta é um bom filme de Almodóvar, mas está longe de seus melhores trabalhos. O diretor não deixa de lado suas características, mesmo ao adaptar uma obra mais delicada como o trabalho de Munro, o que é algo positivo. Porém, a forma como a narrativa se desenvolve atrapalha a ligação emocional entre espectadores e protagonista e, embora seja interessante a narrativa desvendar lentamente o motivo de seu sofrimento, um pouco mais de agilidade ajudaria a causar um maior impacto.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus