KADOSH - LAÇOS SAGRADOS

KADOSH - LAÇOS SAGRADOS

(Kadosh)

1999 , 110 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Amos Gitai

    Equipe técnica

    Roteiro: Amos Gitai, Eliette Abecassis

    Produção: Amos Gitai, Michel Propper

    Fotografia: Renato Berta

    Trilha Sonora: Louis Sclavis, Philippe Eidel

    Estúdio: Agav Hafakot, MP Productions

    Elenco

    Leah Koenig, Meital Barda, Noa Dori, Rivka Michaeli, Sami Huri, Samuel Calderon, Shireen Kadivar, Uri Klauzner, Yaël Abecassis, Yoram Hattab, Yussuf Abu-Warda

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Duas mulheres torturadas pela ignorância religiosa: Rivka, casada há dez anos, não consegue engravidar, o que é uma desgraça para a comunidade de judeus ortodoxos onde ela vive. Por sua vez, Malka, irmã de Rivka, está sendo pressionada a se casar com um homem que não ama, para melhor atender aos interesses religiosos desta mesma comunidade.
    Mais velha, Rivka sofre, mas é resignada aos ensinamentos do Torá. Sua irmã, porém, não se conforma com a situação, e considera com seriedade a possibilidade de abandonar tudo e conhecer "o mundo lá fora", como ela mesma diz.

    Co-produzido entre França e Israel, Laços Sagrados é um filme para um público bastante restrito. Poucas pessoas fora da colônia conseguirão acompanhar com interesse esta trama arrastada e anacrônica (pelo menos para quem não é judeu ortodoxo) sobre valores que parecem muito distantes da realidade.
    Na maioria das vezes estática ou, quando muito, realizando lentos e preguiçosos movimentos, a câmera do diretor israelense Amos Gitai opta por enquadrar os personagens quase sempre em planos médios, sem closes, causando um frio distanciamento entre a ação e a platéia. Sempre contida, a emoção jamais explode. Entala na garganta.

    Este estilo gélido de filmar pode até ser proposital. Talvez com isso o diretor pretenda ressaltar exatamente a imobilidade de Rivka contra as leis e normas que a oprimem. Talvez Amos Gitai queira, com este distanciamento cinematográfico, expor o próprio distanciamento humano que determinados grupos religiosos impõem contra os seus praticantes. Talvez. Em teoria, é tudo muito bonito. Na prática, porém, Laços Sagrados é um filme difícil que toma emprestado um pouco de cada país que o produz: ele é arrastado como o cinema francês e árido como os desertos de Israel.

    05 de setembro de 2000
    ------------
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão, e do Canal 21.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus