LÚCIA E O SEXO

LÚCIA E O SEXO

(Lucía y el Sexo)

2001 , 128 MIN.

18 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Julio Medem

    Equipe técnica

    Roteiro: Julio Medem

    Produção: Enrique López Lavigne, Fernando Bovaira

    Fotografia: Kiko de la Rica

    Trilha Sonora: Alberto Iglesias

    Elenco

    Daniel Freire, Elena Anaya, Javier Cámara, Najwa Nimri, Paz Vega, Tristán Ulloa

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O filme abre com uma cena longa e cativante. Câmera fixa em Lucia (Paz Vega), uma garota que, pelo telefone, tenta convencer o companheiro Lorenzo (Tristan Ulloa) que a briga que acontecera pela manhã poderia ser revertida. É um dolorido pedido de paz. No momento, porém, ela precisa desligar: a reconciliação ficaria para a noite. Há um clima de desespero no ar. Chegando em casa, Lucia não encontra Lorenzo. A angústia aumenta. Um telefonema titubeante vindo de um policial ensaia uma notícia trágica. Lucia não suporta ouvir. Foge. Corre para uma paradisíaca ilha no Mediterrâneo. A fotografia estoura em fortes contrastes de branco e azul. Tem início uma bela história de amor e dor, repleta de reviravoltas, flashbacks e novas opções. Tem início mais uma viagem romântico-dramática de Julio Medem, o mesmo diretor do também ótimo Os Amantes do Círculo Polar.

    Visto por mais de um milhão de pessoas nos cinemas espanhóis, Lucia e o Sexo é um filme que abre horizontes para as mais variadas leituras. Latino, resvala no melodrama, mas a direção sempre segura e criativa de Medem consegue dar força e credibilidade às cenas mais incríveis. Simbólico, Medem lembra o conterrâneo Saura, e chega a colocar, em plena praia, um buraco onde quem cai ganha uma segunda chance na vida. Artesão, ele costura histórias, entremeia tramas, elabora idas e vindas no tempo. E nem por isso é hermético. Enigmático, joga aqui e ali com elementos emblemáticos... praia, céu, água, muita água, cores. E termina seu filme com os créditos rolando para baixo, e não para cima, como sempre acontece. Uma proposta de inversão de valores? Talvez. O fato é que, com seu estilo hipnótico, Medem consegue conquistar os mais variados tipos de público, desde aquele que só se interessa pela história de amor de Lucia, até quem prefere ver novas tendências estéticas do cinema.

    Enfim, um filmaço. Um dos melhores deste ano.

    Lucia e o Sexo foi indicado a dez prêmios Goya - o Oscar espanhol - e levou dois: trilha sonora e atriz revelação para Paz Vega.

    1º de agosto de 2002.

    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus