MADEMOISELLE CHAMBON

MADEMOISELLE CHAMBON

(Mademoiselle Chambon)

2009 , 101 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 14/05/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Stéphane Brizé

    Equipe técnica

    Roteiro: Florence Vignon, Stéphane Brizé

    Produção: Gilles Sacuto, Milena Poylo

    Fotografia: Antoine Héberlé

    Trilha Sonora: Ange Ghinozzi

    Estúdio: TS Productions

    Distribuidora: Imovision

    Elenco

    Abdellah Moundy, Anne Houdy, Arthur Le Houérou, Aure Atika, Bruno Lochet, Jean-Marc Thibault, Michelle Goddet, Sandrine Kiberlain, Vincent Lindon

  • Crítica

    10/05/2010 14h50

    Verónique (Sandrine Kimberlain, de Betty Fischer e Outras Histórias) é uma musicista amadora e professora profissional sem raízes, que leciona de cidade em cidade por todo o país. Jean (Vincent Lindon, de Bem-Vindo), mais até do que em raízes, é especializado em fundações sólidas que erguem casas “para toda vida”, segundo suas próprias palavras. Duas pessoas antagônicas em suas origens que se vêem repentina e inevitavelmente atraídas. A violinista e o pedreiro.

    O amor entre ambos nasce sem aviso prévio. Sem flores, nem borboletas, muito menos orquestras tocando. É repentino. E proibido, já que Jean é casado. É sobre esta forte atração que se debruça a diretora e corroteirista Stéphane Brizé, que com este filme recebeu um César de melhor roteiro adaptado (a partir do livro de Eric Holder).

    Francês de corpo e alma, o drama Mademoiselle Chambon traz os elementos típicos da estética que consagrou a cinematografia daquele país. Para a alegria de seus admiradores e ódio de seus detratores. São tempos estendidos, longos momentos de silêncio, pausas reflexivas, olhares, sutilezas. Cinema feito para pensar, sentir e para contar a história de uma paixão avassaladora.

    Nem que seja apenas como contraponto à ansiedade visual que se instalou no cinema atual, o filme vale o ingresso: Mademoiselle Chambon é um belo oásis de sentimentos dentro de uma cruel aridez estética.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus