MÃE E FILHA

MÃE E FILHA

(Mãe e Filha)

2011 , 81 MIN.

Gênero: Drama

Estréia: 02/03/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Petrus Cariry

    Equipe técnica

    Roteiro: Firmino Holanda, Petrus Cariry

    Produção: Bárbara Cariry, Petrus Cariry, Teta Maia

    Fotografia: Petrus Cariry

    Trilha Sonora: Hérlon Robson

    Estúdio: Iluminura Filmes

    Distribuidora: Lume Filmes

    Elenco

    Juliana Carvalho, Zezita Matos

  • Crítica

    01/03/2012 07h00

    Vencedor de cinco prêmios no Cine Ceará de 2011, onde teve sua primeira exibição, o longa Mãe e Filha, do cearense Petrus Cariry (O Grão), sagrou-se grande vencedor do festival e, de quebra, ainda faturou o prêmio da crítica.

    Não compartilho do entusiasmo que o filme provocou em alguns colegas. De fato Mãe e Filha é um trabalho recheado de belíssimas imagens muito bem enquadradas e fotografadas, mas esse esmero com a plástica não se estendeu à força de sua trama, que exagera nos simbolismos vagos e tediosos e faz da obra de Cariry um filme pretensioso demais.

    Autoral até a medula - Petrus escreveu, dirigiu, produziu e fez câmera – Mãe e Filha é contemplativo e parcimonioso em sua narrativa, que conta a história de uma mulher que saiu do interior para a capital Fortaleza e não deu notícias por 20 anos. Ela volta à cidadezinha do sertão onde nasceu, um lugarejo fantasma, repleto de ruínas e lembranças, onde pretende que a mãe batize e enterre o filho natimorto.

    São muito poucos os diálogos no filme, a maioria das falas são monólogos da avó que reflete sobre o significado da dupla maternidade e resiste a aceitar a vida que se encerrou, antes mesmo de começar, do neto. Mesmo assim um duelo sensorial carregado de muita tensão se estabelece entre elas. Para haver vida, afinal, é preciso a morte, o ciclo precisa ser completado.

    Não há no longa a intenção de brindar o espectador com respostas ligeiras. A câmera contempla os cenários e os personagens e cabe ao espectador - hoje mal habituado a receber tudo mastigado – o exercício da análise e da reflexão. Metafórico e carregado de um teor místico e religioso, o filme transita entre realidade e fantasia num espetáculo de morbidez por vezes exagerado. As resignações, a estranheza entre mãe e filha, o neto morto e os vaqueiros do apocalipse, tudo é mostrado como peças de um jogo de abstração que termina por cansar o espectador a certa altura.

    A compensação está no fascínio e beleza das imagens captadas pelo diretor. Não se pode negar que Cariry é rigoroso na técnica, que presenteia o espectador com belos planos, muito bem cuidados tanto no enquadramento quanto na luz. O jovem diretor apostou em se afastar de um cinema narrativo ligado ao grande público e, ao mesmo tempo, não quis embarcar em modismos estilísticos do cinema independente contemporâneo. Impôs sua identidade à linguagem cinematográfica e fez de seu filme um experimento particular. Se não fosse pelo lodaçal de simbolismos em que se transforma ao longo tempo, Mãe e Filha seria um bom filme. Ainda assim, nada mais que isso.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus