MALENA

MALENA

(Malèna)

2000 , 94 MIN.

14 anos

Gênero: Romance

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Giuseppe Tornatore

    Equipe técnica

    Roteiro: Giuseppe Tornatore, Luciano Vincenzoni

    Produção: Carlo Bernasconi, Harvey Weinstein, Mario Cotone

    Fotografia: Lajos Koltai

    Trilha Sonora: Ennio Morricone

    Estúdio: Pacific Pictures SRL

    Elenco

    Gaetano Aronica, Gilberto Idonea, Giuseppe Sulfaro, Luciano Federico, Matilde Piana, Monica Bellucci, Pietro Notarianni

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Giuseppe Tornatore conseguiu de novo. O famoso diretor de Cinema Paradiso mais uma vez mostra todo o seu talento e sensibilidade em seu novo filme Malena.

    A história é ambientada na Sicília, sul da Itália, em plena Segunda Guerra Mundial. Renato (o estreante Giuseppe Sulfaro, que conseguiu o papel graças a uma foto enviada pela tia) é um garoto de 13 anos que tem duas grandes surpresas no mesmo dia: ganha a sua primeira bicicleta e conhece a belíssima Malena (a modelo Monica Belucci, que esteve À Sombra de Uma Suspeita). Ainda no mesmo dia, a Itália entra na Guerra, mas isso não tem a menor importância para Renato. No momento, o rapaz está muito mais preocupado em curtir sua bicicleta, em ser aceito na turma de garotos mais velhos e – principalmente – em saber melhor quem é aquela estonteante morena que passa por todos sem olhar para ninguém.

    Aos poucos, Renato fica sabendo que Malena é nova na cidade e que seu marido está nos campos de batalha. Por morar sozinha e por ser muito bonita, ela logo atrai a cobiça dos homens e a ira das mulheres do lugar. Renato, por sua vez, sonha com o dia em que poderá usar calças compridas e, finalmente, declarar seu amor à bela morena. Enquanto isso não acontece, ele se dedica a proteger com unhas e dentes o objeto da sua admiração.

    A partir de um conto autobiográfico de Luciano Vincenzoni, o filme de Tornatore conta basicamente uma bela história de amor platônico. Em seu rito de passagem para o mundo adulto, o garoto, ainda de calças curtas, se apaixona quase que cegamente pela bela mulher. Mas, ao contrário dos outros homens da cidade que vêem em Malena apenas um objeto de forte apelo sexual, Renato só pensa em protegê-la, em cuidar dela e, para isso, passa a espreitá-la por todos os lugares, num misto de detetive e anjo da guarda. O amor não consumado, aliás, parece ser uma constante na obra de Tornatore, que já havia visitado o tema – de passagem – em A Lenda do Pianista do Mar e no próprio Cinema Paradiso.

    Quanto mais a Guerra se desenvolve, mais Renato toma contato com a dura realidade da vida, conhecendo de perto a privação, a necessidade e a intolerância. Mas, para ele, Malena está acima disso tudo. Para Renato, Malena é simplesmente o amor puro e incondicional.

    Açucarado? Melodramático? E por que não? Afinal, não podemos nos esquecer que tudo se passa no sul da Itália. As filmagens foram feitas na cidade de Siracusa, magnificamente fotografada pelo húngaro Lajos Koltai. A música é do mestre Ennio Morricone (o mesmo de Era Uma Vez na América, Cinema Paradiso, Os intocáveis e tantos outros sucessos), que a pedido do diretor realizou um processo “inverso” de trabalho: compôs a trilha antes das filmagens, para que ela pudesse ser tocada enquanto os atores faziam seus papéis. Deu certo: tanto a trilha foi indicada ao Oscar, merecidamente.

    5 de março de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e do Canal 21. Às sextas-feiras é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus