MARTYRS

MARTYRS

(Martyrs)

2015 , 86 MIN.

Gênero: Terror

Estréia: 05/05/2016

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Kevin Goetz, Michael Goetz

    Equipe técnica

    Roteiro: Mark L. Smith

    Produção: Peter Safran, Wyck Godfrey

    Fotografia: Sean O'Dea

    Trilha Sonora: Evan Goldman

    Estúdio: Blumhouse Productions

    Montador: Jake York

    Distribuidora: Califórnia Filmes

    Elenco

    Bailey Noble, Blake Robbins, Caitlin Carmichael, Elyse Cole, Ever Prishkulnik, Ivar Brogger, Kate Burton, Laurence Todd Rosenthal, Lexi DiBenedetto, Melissa Tracy, Romy Rosemont, Taylor John Smith, Toby Huss, Troian Bellisario

  • Crítica

    04/05/2016 18h14

    Por Daniel Reininger

    O remake do interessante Martyrs, filme de 2008 do Pascal Laugier que não ganhou muito espaço por aqui, é uma obra sem graça, confusa e sem o menor apelo. O longa tenta chocar, mas não chega nem perto do original, que funcionava mais como uma experiência, do que como uma narrativa, e é ao tentar focar na história que a versão norte-americana se perde.

    Na trama, quando Lucy escapa de um grupo de pessoas que a torturavam sem fins claros, ela é enviada para um orfanato católico onde faz amizade com Anna. Dez anos depois, as duas melhores amigas continuam juntas, mas Lucy ainda enfrenta traumas psicológicos de seu cativeiro e pretende encontrar as pessoas responsáveis por sua tortura e fazê-los pagar, com ou sem a ajuda de Anna. Só que a verdade por trás de sua captura é muito pior do que poderiam imaginar.

    Entre os problemas do longa está a falta de ritmo da narrativa, cansativa, a história se desenrola de forma inconsistente, focando demais em cenas desnecessárias ou se delongando em cenas de tortura que, embora sejam o foco do filme, nunca são viscerais o suficiente para causar o impacto desejado, algo que o longa original faz muito melhor.

    O remake pelo menos tenta abordar a questão filosófica central à trama de forma diferente do filme de 2008 e isso é motivo de elogios ao diretor Mark L. Smith, o problema é que a execução é falha e o longa parece cada vez mais perdido em questões superficiais, as quais os diretores Kevin e Michael Goetz tentam compensar com falas de efeito nada convincentes.

    Uma boa decisão foi escolher as atrizes de TV Troian Bellisario (Pretty Little Liars) e Bailey Noble (True Blood) como protagonistas. Elas convencem no papel de amigas, uma atormentada por lembranças do passado e a outra cética, porém sempre dispostas a se ajudarem. A presença de Kate Burton como grande ameaça é muito bem-vinda também.

    Martyrs é um filme com boa ideia e execução falha. A violência é o foco do longa, mas não chega nem perto do original, na verdade, é tudo bem genérico e isso é um grande problema para um longa sem muito conteúdo fora as cenas de tortura. A discussão filosófica é fraca e a forma como o sobrenatural e a loucura são explorados beira o ridículo. Se você quer mesmo uma experiência aterrorizante, o iIdeal é ficar com Martyrs de 2008.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus