MEU PAPAI É NOEL 2

MEU PAPAI É NOEL 2

(The Santa Clause 2)

2002 ,

anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michael Lembeck

    Equipe técnica

    Roteiro: Cinco Paul, Ed Decter, John J. Strauss, Ken Daurio, Leonardo Benvenuti, Steve Rudnick

    Produção: Brian Reilly, Jeffrey Silver, Robert F. Newmyerer

    Fotografia: Adam Greenberg, Craig Haagensen

    Trilha Sonora: George S. Clinton

    Estúdio: Outlaw Productions, Walt Disney Pictures

    Elenco

    David Krumholtz, Elizabeth Mitchell, Eric Lloyd, Judge Reinhold, Spencer Breslin, Tim Allen, Wendy Crewson

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Especializado em seriados de televisão, o diretor Michael Lembeck estréia na tela grande com o pé direito: seu filme Meu Papai é Noel 2 pode não ser nenhum clássico natalino, mas conseguiu a proeza de bater a casa dos US$ 100 milhões de faturamento nas bilheterias dos EUA. Nada mau para um estreante. Porém, a bem da verdade, a maior responsável por este dinheiro todo é mesmo a presença de Tim Allen no papel principal. Pouco conhecido dos brasileiros, mas bastante popular nos Estados Unidos, Allen também foi o protagonista do primeiro Meu Papei é Noel, filme de 1994 que faturou quase US$ 200 milhões no mundo inteiro. Ele esteve também em O Super Pai e é o dublador oficial de Buzz Lightyear, personagem de Toy Story.

    Nesta continuação, Papai Noel (Allen) se vê diante de um grave dilema: pelas leis "universais", ele precisa se casar rapidamente ou perderá seus poderes mágicos. Para piorar a situação, faltam poucos dias para o Natal e ele não tem a mínima idéia de quem poderá ser a sua "Mamãe Noel". Enquanto isso, ele ainda precisa resolver o caso do seu filho adolescente, que está se tornando rebelde por causa da ausência do pai. Os problemas de Papai Noel estão apenas começando.

    Meu Papai é Noel 2 é capaz de agradar a crianças e adultos. Para os pequenos, ele traz uma direção de arte pra lá de colorida, com uma concepção do Pólo Norte e da famosa fábrica de brinquedos de Papai Noel de encher os olhos e os corações. Para os adultos, o filme tem boas idéias. Talvez a melhor delas seja a festa de Natal da escola, em que cada adulto vira criança novamente ao ganhar o presente que sempre desejou, que nunca havia recebido. Um belo momento. Também merece destaque a reunião dos seres mágicos, em que se "descobre" que, na verdade, a "fada" dos dentes é um homem.

    Entre no espírito de Natal, deixe a lógica de lado e curta com emoção Meu Papai é Noel 2.

    11 de dezembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus