MOMENTOS ETERNOS

MOMENTOS ETERNOS

(Maria Larssons Eviga Ögonblik)

2008 , 131 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jan Troell

    Equipe técnica

    Roteiro: Niklas Radstrom

    Produção: Christer Nilson, Tero Kaukomaa, Thomas Stenderup

    Fotografia: Jan Troell, Mischa Gavrjusjov

    Elenco

    Jesper Christensen, Maria Heiskanen, Mikael Persbrandt

  • Crítica

    25/10/2009 02h11

    Jan Troell é um dos diretores suecos que conseguiram certo destaque internacional, graças ao díptico sobre imigrantes que realizou nos anos 70, Os Emigrantes e Nova Terra, filmes grandiosos com mais de três horas de duração, que mostravam um diretor com habilidade de grande artesão.

    Momentos Eternos é um tanto previsível, pois parece um filme de Billie August, quando este era capaz de fazer algo como Pelle, O Conquistador. Troell pesa muito a mão ao mostrar a brutalidade e a ignorância de um homem pouco instruído no trato com filhos e esposa.

    Felizmente, após uma temporada na cadeia, o homem volta compreensivo e manso, respeitoso com os sonhos de todos, até mesmo com o de sua mulher, que vivia com uma máquina fotográfica, algo visto por ele como frescura de elite.

    Se essa mudança é um tanto inverossímil, pelo que havíamos visto do brutamontes, alguns dos melhores momentos acontecem por causa dela. É quando o filme nos lembra da boa mão de Troell para retratos de uma comunidade que deseja prosperar na vida. Os últimos momentos, principalmente, apagam um pouco a sensação de déjà vu que sentimos durante quase toda a projeção, e não dá para reclamar muito quando isso acontece.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus