Morro dos Prazeres

MORRO DOS PRAZERES

(Morro dos Prazeres)

2013 , 90 MIN.

14 anos

Gênero: Documentário

Estréia: 29/11/2013

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Maria Augusta Ramos

    Equipe técnica

    Roteiro: Maria Augusta Ramos

    Produção: Daniela Santos, Eduardo Ades, Maria Augusta Ramos, Sylvia Baan

    Fotografia: Guy Gonçalves, Leo Bittencourt

    Trilha Sonora: Felippe Mussel

    Estúdio: Nofoco Filmes Produções Cinematográficas Ltda.

    Montador: Karen Akerman

  • Crítica

    25/11/2013 13h40

    Nos últimos meses, com a repercussão que teve o caso Amarildo, muito se discutiu a atuação das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro. A cineasta Maria Augusta Ramos subiu o morro que dá título a seu filme e foi ver o dia-a-dia de uma comunidade pacificada. Durante quatro meses, entre abril e julho de 2012, acompanhou o cotidiano do lugar observando o processo de pacificação do ponto de vista de seus protagonistas: população e policiais ocupantes.

    O resultado é um longa equilibrado, distante de prejulgamentos e estereótipos. Produção que releva os dois lados da inevitável contenda entre uma polícia militarizada - que tem dificuldades em ver-se como servidora do público - e uma comunidade habituada há décadas ao jugo de bandidos. Desconfiada, com toda a razão, da autoridade instituída que só agora começa a conhecer.

    O grande mérito de Morro dos Prazeres é desconstruir estereótipos: tanto o do morador dessas comunidades quanto o do policial que lá atua. O filme revela o esforço de parte do oficialato da Polícia Militar do Rio em fazer um bom trabalho nas áreas pacificadas. Empenho que vai de encontro, muitas vezes, às atitudes de subalternos que dispensam à população tratamento truculento.

    Alguns moradores ressentem-se, por sua vez, de não ter a liberdade com a qual contavam quando a comunidade era dominada por bandidos. Também são incomodados com o cotidiano de revistas e abordagens, parte do plano do Estado de sufocar pequenos delitos - como fumar um baseado, por exemplo - para evitar crimes maiores.

    Ninguém imaginava que essa aproximação seria fácil. Como era de se esperar, expulsar os traficantes era apenas parte do problema. Morro dos Prazeres mostra que há interesse de ambos os lados em criar uma relação harmoniosa entre polícia e moradores, mas trata-se de afinidade difícil e pautada por desconfianças.

    Todos, no entanto, fiam-se na certeza de que, por mais delicada que seja a interação entre forças de segurança e população carente, uma volta ao passado seria muito pior.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus