NEVE PRA CACHORRO

NEVE PRA CACHORRO

(Snow Dogs)

2002 , 101 MIN.

anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Brian Levant

    Equipe técnica

    Roteiro: Jim Kouf, Mark Gibson, Michael Goldberg, Philip Halprin, Tommy Swerdlow

    Produção: Jordan Kerner

    Fotografia: Thomas E. Ackerman

    Trilha Sonora: John Debney

    Estúdio: Winterdance Productions Ltd

    Elenco

    Cuba Gooding Jr., Deborah Smith Ford, Graham Greene, James Coburn, Joanna Bacalso, M. Emmet Walsh, Nichelle Nichols, Randy Birch, Shaw Madson, Sisqó

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O assunto principal está muito longe de ser uma novidade: homem urbano é retirado de seu habitat e conhece a felicidade longe da cidade grande, nas coisas simples da vida. É um mote clássico. Transformado em entretenimento familiar, o tema ganha toques de aventura e comédia pastelão no agradável Neve Pra Cachorro, típico produto assinado pela grife Disney.

    Cuba Gooding Jr. (de Jerry Maguire, A Grande Virada) é Ted, um dentista de sucesso que usufrui com orgulho do sol e da boa vida de Miami. Certo dia, recebe a surpreendente notícia de ter sido adotado, quando bebê. E mais: que haveria uma herança à sua espera num gelado vilarejo do Alasca. Curioso, Ted viaja até o lugar, onde estão escondidos todos os segredos de suas verdadeiras origens.

    A princípio, Neve Pra Cachorro teria tudo para ser simplesmente mais uma comédia descartável: uma história simples buscando os públicos infantil e juvenil. Porém, o time de roteiristas (são cinco no total) e a direção de Brain Levant (de Os Flintsones e Um Herói de Brinquedo) colocaram o filme num patamar acima da media do gênero. Tudo contribui para que Neve Pra Cachorro seja uma boa surpresa deste final de férias. Primeiro porque o roteiro, ainda que simples, não ofende a inteligência nem de adultos, nem de crianças. Segundo porque o elenco reúne bons atores, desde veteranos, como James Coburn, M. Emmet Walsh e Nichelle Nichols (a lendária Uhura, de Jornada nas Estrelas), até novatos convincentes como Sisqo e Joanna Bacalso. Passando, é claro, pelo premiado Cuba Gooding Jr. E é surpreendentemente agradável ver um filme sem um único tiro, uma única arma de fogo, e uma única presença policial, fato raríssimo nas produções norte-americanas.

    Claro que há problemas. Algumas cenas são digitais demais; há um cão husky visivelmente mecânico, e o final poderia ser um pouco menos esticado. Mas são defeitos menores que não tiram o mérito de um filme que resgata o prazer de se ir com a família toda ao cinema. Na melhor tradição Disney, que andava meio esquecida ultimamente.

    25 de julho de 2002.
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus