NO MEU LUGAR

NO MEU LUGAR

(No Meu Lugar)

2009 , 105 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 13/11/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Eduardo Valente

    Equipe técnica

    Roteiro: Eduardo Valente, Felipe Bragança

    Fotografia: Mauro Pinheiro Jr

    Elenco

    Dedina Bernardelli, João Pedro Celli, Letícia Tavares, Licurgo Spinola, Luciana Bezerra, Marcio Vito, Nível Magno, Raphael Sil

  • Crítica

    12/11/2009 16h00

    Estreia do premiado curta-metragista e crítico de cinema Eduardo Valente na direção de um longa, No Meu Lugar traz uma trama tipicamente carioca. São três histórias que se desenvolvem paralelamente a partir de um incidente violento na cidade brasileira conhecida também por esse elemento, a violência. Embora seja permeado pelo tema, tão batido no cinema nacional contemporâneo, No Meu Lugar foge da abordagem mais comum e fácil que poderia ter.

    O filme discorre sobre as consequências de um ato violento cinco anos após a situação, que quase chega a ser trivial na realidade das grandes cidades, não somente o Rio de Janeiro. Desta forma, Valente é capaz de tratar um retrato sincero da experiência de viver cercado pelo temor, pela tensão de uma explosão de violência iminente. Suas escolhas estéticas e narrativas fazem com que o filme se distancie de uma forma saudável e bem-vinda dos filmes de temática urbana e violenta que tanto são produzidos no cenário cinematográfico brasileiro atual.

    Por isso, nos momentos mais pontuais, quando o acontecimento que desencadeia a trama é revelado, Valente abre mão das imagens violentas para apresentar ao espectador somente o som do que está ocorrendo, uma forma de fugir da banalização das imagens violentas, ao mesmo tempo provocando outro sentido do espectador exercitado na experiência cinematográfica, a audição. A força de No Meu Lugar é baseada nas atuações, além de sua estrutura narrativa, que passeia pelos tempos da trama de uma forma não-linear, descortinando junto ao público os fatos que compõem a história.

    Foram testados 400 atores para os papéis e, neste processo, Valente fez questão de se manter afastado, recebendo ajuda de Pedro Freire, que ficou em contato com os atores até o início das filmagens. Solução encontrada pelo diretor para se concentrar nos personagens, não nos atores. Além disso, eles não tiveram acesso ao roteiro completo. Portanto, não conheciam as histórias dos outros personagens, dando um tom mais próximo ainda da realidade que Valente cria em seu filme.

    Sem rostos conhecidos do grande público, o elenco é essencial para criar essa empatia entre o espectador e o filme. Que não é tão fácil de ser obtida, reflexo disso é que No Meu Lugar tem dividido opiniões por onde passa. Internacionalmente, aliás, o filme parece funcionar de uma forma menos completa, já que muitas cenas do longa são entendíveis somente para que conhece essa realidade.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus