O AMOR CHEGA TARDE

O AMOR CHEGA TARDE

(Bis Später, Max!/ Love Comes Lately)

2007 , 86 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia Dramática

Estréia: 22/04/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jan Schütte

    Equipe técnica

    Roteiro: Jan Schütte

    Produção: Kai Künnemann, Martin Hagemann

    Fotografia: Chris Squires, Edward Klosinski

    Trilha Sonora: Henning Lohner

    Estúdio: Dor Film Produktionsgesellschaft

    Distribuidora: Estação Filmes

    Elenco

    Barbara Hershey, Brad Lee Wind, Brian Doyle-Murray, Bunny Levine, Caroline Aaron, Christina Szápáry, Elizabeth Peña, Gurdeep Singh, Jason Hedges, John C. Vennema, Lee Wilkof, Olivia Thirlby, Otto Tausig, Rhea Perlman, Tovah Feldshuh

  • Crítica

    19/07/2011 18h00

    Um pequeno e singelo filme sobre solidão e velhice. Assim pode ser definido O Amor Chega Tarde, uma coprodução entre Áustria e EUA que chega aos cinemas o Brasil (em raríssimas salas, é verdade) quatro anos após ser produzido.

    Tudo gira em torno de Max Kohn (o veterano Otto Tausig), um escritor austríaco residente em Nova York, quase octogenário, que não consegue aceitar muito bem o fato de não ter mais a mesma disposição sexual de antes. Enquanto administra sua namorada ciumenta (Rhea Perlman, que fez sucesso no antigo seriado Cheers), Max viaja pelo país ministrando cursos e palestras, além de jogar charme sobre senhoras solitárias. Reais ou imaginárias.

    Misturando drama com pitadas do sempre peculiar humor judaico (sem ser obviamente nenhum Woody Allen), O Amor Chega Tarde tem um ritmo contemplativo coerente com o do seu protagonista, escorrega aqui e ali em algumas “barrigas” (aqueles momentos em que a gente começa a pensar no sabor da pizza que vai comer depois do cinema), mas mesmo assim oferece uma bem-vinda dose de poesia, fantasia e afetividade.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus