O CONTO DA PRINCESA KAGUYA

O CONTO DA PRINCESA KAGUYA

(Kaguya-hime no monogatari)

2013 , 137 MIN.

Gênero: Animação

Estréia: 16/07/2015

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Isao Takahata

    Equipe técnica

    Roteiro: Isao Takahata

    Produção: Seiichirô Ujiie, Yoshiaki Nishimura

    Trilha Sonora: Joe Hisaishi

    Estúdio: Dentsu, Hakuhodo DY Media Partners, KDDI Corporation, Mitsubishi Shoji, Nippon Television Network (NTV), Studio Ghibli, Toho Company

    Distribuidora: Califórnia Filmes

    Elenco

    Beau Bridges, Chloë Grace Moretz, Daniel Dae Kim, Darren Criss, Dean Cain, Emily Bridges, George Segal, Hynden Walch, James Caan, James Marsden, John Cho, Lucy Liu, Mary Steenburgen, Oliver Platt

  • Crítica

    15/07/2015 14h48

    A animação japonesa é famosa ao redor do mundo por importar o visual dos mangás, com personagens de olhos grandes em ação desenfreada. No entanto, um dos ícones desse tipo de produção na Terra do Sol Nascente tem outro visual. Os filmes do Estúdio Ghibli conquistam fãs e influenciam realizadores.

    O Conto Da Princesa Kaguya faz jus a tradição da casa, apesar de não ser dirigido por Hayao Miyazaki (Vidas Ao Vento), maior nome da produtora. Essa característica significa que o longa terá um traço diferente, mas com o mesmo apuro técnico do mestre da animação, com uma atmosfera artesanal.

    A história se baseia em um conto do folclore japonês. A tal Princesa Kaguya é encontrada por um camponês dentro de um broto de bambu. Ela cabe na palma da mão do homem, que a leva para casa. Lá, a pequena princesa se transforma em um bebê e é adotada pelo camponês e sua esposa.

    As origens mágicas da garota se comprovam com seu crescimento acelerado – em poucos dias, a bebê aprende a engatinhar, caminhar e falar. A menina passa sua breve infância com meninos que moram na região. Quando ela rapidamente se torna uma jovem mulher, o pai decide que a família precisa se mudara para a cidade grande para a moça cumprir seu destino de ser uma nobre. O homem encontra moedas de ouro e tecidos finos nos mágicos brotos de bambu e acredita que esse é um sinal para a mudança de residência.

    Na cidade grande, Kaguya será treinada para se tornar uma mulher da elite. Nesse ponto, o filme apresenta costumes tradicionais da sociedade japonesa, o que concede um teor educacional para o roteiro. A etiqueta referente ao comportamento feminino é o principal tema nesse quesito.

    Outro aspecto de O Conto da Princesa Kaguya que se revela nessa passagem é a competência técnica da área sonora do longa. A protagonista aprende a tocar um instrumento musical e o sincronismo entre os movimentos de seus dedos com as notas da canção é impressionante. É esse tipo de cuidado fino que cultiva os fãs do Estúdio.

    No entanto, a maior qualidade do filme está no visual. Os cenários são delicados, como se fossem pinturas de aquarela. Por outro lado, os personagens são apresentados em traços que se assemelham a giz de cera. Apesar da diferença de concepção, há um casamento entre os personagens e o cenário, o que gera um show para os olhos, que assistem a verdadeiras obras de arte em movimento.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus