O CORONEL E O LOBISOMEM

O CORONEL E O LOBISOMEM

(O Coronel e o Lobisomem)

2005 ,

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Maurício Farias

    Equipe técnica

    Roteiro: Guel Arraes, João Falcão, Jorge Furtado

    Produção: Guel Arraes, Paula Lavigne

    Fotografia: José Roberto Eliezer

    Estúdio: Natasha Filmes

    Elenco

    Ana Paula Arósio, Andréa Beltrão, Diogo Vilela, Francisco Milani, Lúcio Mauro Filho, Marco Ricca, Othon Bastos, Pedro Paulo Rangel, Selton Mello, Tonico Pereira

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    É uma pena. Muitos apostavam no sucesso da nova produção de Guel Arraes, mas, infelizmente - para o cinema brasileiro -, O Coronel e o Lobisomem decepcionou. Vai embora mais uma esperança de estouro nas bilheterias para este 2005, que já chegam na reta final.

    Baseado no livro homônimo de José Cândido de Carvalho, O Coronel e o Lobisomem narra a saga de Ponciano (Diogo Vilela), garoto mimado, nascido em berço de ouro, que herda do avô (Othon Bastos) a patente de coronel e a produtiva fazenda Sobradinho. Assim como acontece em Quase Dois Irmãos, o grande amigo de infância de Ponciano é o filho da empregada, Pernambuco Nogueira (Selton Mello), que cresce à margem da riqueza da fazenda, mas sem nunca participar diretamente dela.

    Na idade adulta, inevitavelmente, ambos tomam caminhos diferentes e conflitantes. Concorrem ferozmente pelo amor da mesma mulher (Ana Paula Arósio) e pela riqueza da mesma fazenda. O astuto Nogueira acaba ganhando a propriedade, mas Ponciano pretende provar na justiça que ele não tem direito às terras pelo simples fato de ser... Um lobisomem.

    Repleto de brasilidade e rico na prosa, o texto original tinha tudo para se transformar num bom espetáculo cinematográfico. Mas fica a impressão que os produtores quiseram fazer um tipo de cinema para um público que não está acostumado a ir ao cinema. Tudo é exaustivamente explicadinho, com uma narração redundante que conta repetidamente o que já está se vendo na tela. É um roteiro que subestima a capacidade de compreensão do público. Burocrática, a direção de Maurício Farias prefere não ousar, cinematograficamente falando.

    Não é o caso de taxar o filme de muito televisivo e pouco cinematográfico e abrir novamente a infindável discussão entre as diferenças e similaridades das duas linguagens. Não é isso. O grande problema de O Coronel e o Lobisomem está nas emoções mornas, com personagens que acabam não cativando a platéia. Com um pé no caricato, o elenco beira o teatro de revista. O texto narrado se apóia na linguagem literária e o cinema propriamente dito ficou em terceiro plano.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus