O CORTE

O CORTE

(Le Couperet)

2005 , 122 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Costa-Gavras

    Equipe técnica

    Roteiro: Costa-Gavras, Jean-Claude Grumberg

    Produção: Michèle Ray-Gavras

    Fotografia: Patrick Blossier

    Trilha Sonora: Armand Amar

    Estúdio: K.G. Productions

    Elenco

    Christa Theret, Geordy Monfils, José Garcia, Karin Viard, Olga Grumberg, Olivier Gourmet, Thierry Hancisse, Ulrich Tukur, Yolande Moreau, Yvon Back

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Se você acha que o desespero por conta do desemprego, especialmente entre profissionais altamente qualificados, é um problema típico somente da sociedade brasileira, pense duas vezes. E assista a O Corte, novo drama de humor negro dirigido por Costa-Gavras.

    Bruno Davert (José Garcia) é um competente engenheiro que trabalhou durante 15 anos numa fábrica de papel. Por conta de reestruturação na companhia, ele é demitido. O que no começo parece ser férias merecidas acaba se tornando um verdadeiro tormento. Dois anos depois, ele não teve sucesso em nenhuma de suas entrevistas de emprego. A família está sendo sustentada pela esposa, Marlène (Karin Viard), que mantém dois pequenos empregos. No auge do desespero, Bruno traça um plano realmente macabro e diabólico para conseguir o emprego dos seus sonhos. Plano digno de um filme de Alfred Hitchcock. Primeiramente, ele anuncia um emprego fictício no jornal. Os melhores candidatos à vaga são, automaticamente, seus concorrentes numa vaga semelhante. Assim, Bruno chega à conclusão que, se matá-los, a concorrência será eliminada e o emprego dos sonhos será seu.

    À beira da loucura total, ele sai à procura dos candidatos a fim de eliminá-los, sempre seguindo o preceito mais famoso do filosofo Maquiavel: os fins justificam os meios. Assim como na mente do protagonista, não existe moral em O Corte. Por conta da abordagem sempre ácida e irônica do roteiro, não importa se o protagonista consegue ou não se safar dessa situação. Inclusive, é plausível torcer por ele. Sim, o filme consegue envolver o espectador de tal forma que é impossível odiar o protagonista, por mais desprezível que ele seja. Sim, sabemos que ele está errado, mas é por isso que deve se dar mal? Essa "filosofia" maniqueísta não existe na produção. A falta de ética é seu grande trunfo.

    Costa-Gavras utiliza-se muito bem do humor negro para abordar temas como a concorrência no mundo corporativo, o próprio desemprego e a crise econômica na França. O plano do protagonista pode parecer absurdo, mas é muito bem contextualizado. Ao mesmo tempo em que o espectador é capaz de se sentir comovido pelo drama passado por Bruno, não dá para levar a sério. É aí que cabe muito bem o humor negro. De uma forma irônica, o cineasta grego - conhecido por sempre abordar temas sociais sérios em soas obras - toca no desemprego com elegância, fazendo uma fina crítica à competição no mundo corporativo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus