O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON

O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON

(The Curious Case of Benjamin Button)

2008 , 166 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 16/01/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • David Fincher

    Equipe técnica

    Roteiro: Eric Roth, Robin Swicord

    Produção: Ceán Chaffin, Frank Marshall, Kathleen Kennedy

    Fotografia: Claudio Miranda

    Trilha Sonora: Alexandre Desplat

    Estúdio: Paramount Pictures, The Kennedy/ Marshall Company, Warner Bros. Pictures

    Elenco

    Adrian Armas, Ashley Nolan, Brad Pitt, Cate Blanchett, Chandler Canterbury, Charles Henry Wyson, Christopher Maxwell, Clay Cullen, Danny Nelson, Danny Vinson, David Jensen, David Ross Paterson, Deneen Tyler, Devyn A. Tyler, Don Creech, Donna Duplantier, Earl Maddox, Ed Metzger, Edith Ivey, Elias Koteas, Elle Fanning, Faune A. Chambers, Fiona Hale, Ilia Volok, Jacob Tolano, Jared Harris, Jason Flemyng, Jessica Cropper, Joeanna Sayler, Joel Bissonnette, Josh Stewart, Joshua DesRoches, Julia Ormond, Katherine Crockett, Katta Hules, Lance E. Nichols, Louis Herthum, Madisen Beaty, Mahershala Ali, Marion Zinser, Myrton Running Wolf, Patrick Thomas O'Brien, Paula Gray, Peter Donald Badalamenti II, Phyllis Somerville, Rampai Mohadi, Richmond Arquette, Robert Towers, Rus Blackwell, Sonya Leslie-Shepherd, Spencer Daniels, Stephen Taylor, Taraji P. Henson, Taren Cunningham, Ted Manson, Tilda Swinton, Tom Everett, Troi Bechet, Wilbur Fitzgerald, Yasmine Abriel

  • Crítica

    16/01/2009 00h00

    No longínquo século 19, o escritor irlandês Oscar Wilde abordou o envelhecimento de forma fantasiosa no romance O Retrato de Dorian Gray, no qual o personagem principal, um homem extremamente vaidoso, enlouquece ao permanecer jovem, enquanto um retrato seu, escondido num armário, envelhece. Tendo como base um conto do escritor norte-americano F. Scott Fitzgerald, O Curioso Caso de Benjamin Button também aborda a questão do envelhecimento de uma forma bizarra, numa história fantástica, mas com tons otimistas, diferentemente da história de Wilde.

    Benjamin Button (Brad Pitt) nasceu em circunstâncias extraordinárias, como ele mesmo define, no dia em que a Primeira Guerra Mundial terminou, em 11 de novembro de 1918. Enquanto as pessoas comemoravam o fim do conflito nas ruas de Nova Orleans, nos EUA, nascia o protagonista desta fábula, sobrevivente de um parto que acabou levando a vida de sua mãe. Mas ele nasce com uma doença: um bebê velho, à beira da morte, que rejuvenesce na medida em que os anos avançam. Desta forma, ele está fadado ver morrer todos que ele ama, numa trama sempre pontuada por nascimentos e mortes. Abandonado pelo pai, Thomas Button (Jason Flemyng), na porta de um asilo, é acolhido por Queenie (Taraji P. Henson), que, considerando aquele bebê idoso um milagre de Deus, o acolhe como filho.

    Acompanhamos a fábula por meio de um diário escrito pelo protagonista, que, no fim de sua vida, foi parar nas mãos de Daisy (Cate Blanchett), o amor de sua vida, que se encontra no leito de morte enquanto o furacão Katrina ameaça destruir Nova Orleans, o que realmente ocorreu em 29 de agosto de 2005. Aliás, depois de Déja Vu (2006), esta foi a segunda produção hollywoodiana a ser rodada na cidade. A cidade já estava prevista como locação para o filme, rodado entre 2007 e 2008, mas os estragos causados pelo desastre natural - que matou cerca de 1.500 pessoas, destruiu mais de 100 mil casas e deixou prejuízos superiores a US$ 80 bilhões - colocaram em risco a realização das filmagens. Sensibilizado pelos efeitos da catástrofe, Pitt viu de perto a calamidade da situação durante as filmagens e, após a conclusão do filme, anunciou o projeto Make It Right, que tem como objetivo a construção de casas ecológicas na região. Em dezembro de 2008, as seis primeiras casas foram entregues à população. As 150 moradias previstas serão construídas acima do nível do solo, para evitar futuras inundações. Enquanto sua filha, Caroline (Julia Ormond), lê o diário, a história de Benjamin desenvolve-se na tela.

    Por mais que seja uma fábula fantasiosa, a história de O Curioso Caso de Benjamin Button é capaz de conquistar o espectador por manter-se com o pé na realidade, visto os dois acontecimentos notórios que marcam o início e fim da história, a Primeira Guerra Mundial e o furacão Katrina. Os personagens tornam-se críveis simplesmente por terem testemunhado fatos que realmente aconteceram.

    O Curioso Caso de Benjamin Button marca a terceira parceria cinematográfica entre o diretor David Fincher e o ator Brad Pitt, depois de Seven - Os Sete Crimes Capitais (1995) e Clube da Luta (1997). Neste filme, Fincher experimenta uma direção mais clássica ao contar esta bela fábula, que não lança mão da violência estética das duas outras produções protagonizadas por Pitt. Parece que Fincher amadureceu, assim como o ator. Mesmo desenvolvendo um trabalho mais clássico e convencional na direção, Fincher ainda é capaz de compor cenas belíssimas, inesquecíveis, de uma forma especialmente sensível, como se estivesse conduzindo uma verdadeira ode à vida, ao amor, aos relacionamentos e às pessoas que passam por nós. Percebe-se um envolvimento apaixonado de toda a equipe com esta história. Redundante dizer que Pitt, em particular, apresenta-se especialmente inspirado como o protagonista, independente das cinco horas de maquiagem às quais era submetido diariamente para aparentar velho.

    O Curioso Caso de Benjamin Button já estréia no começo de 2009 despontando como provavelmente um dos mais belos filmes deste ano.

    Em tempo: Pitt envolveu-se tanto com este projeto que levou sua filha Shiloh Jolie-Pitt, recém-nascida na época, aos sets de filmagem, fazendo até uma ponta no longa.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus