O DESPREZO

O DESPREZO

(Le Mépris)

1963 , 102 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jean-Luc Godard

    Equipe técnica

    Roteiro: Jean-Luc Godard

    Produção: Georges de Beauregard, Joseph E. Levine

    Fotografia: Raoul Coutard

    Trilha Sonora: Georges Delerue

    Elenco

    Brigitte Bardot, Fritz Lang, Giorgia Moll, Jack Palance, Jean-Luc Godard, Michel Piccoli

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Mais um título clássico de Jean-Luc Godard que reestréia nos cinemas brasileiros, graças à política de relançamentos do Grupo Estação. Depois de exibir cópias restauradas dos mais importantes trabalhos de François Truffaut, agora o Estação volta as suas atenções para Godard, o que é, no mínimo, uma boa oportunidade de apresentar o polêmico cineasta para as novas gerações.

    Neste final de semana, volta à telona o drama O Desprezo, ideal para quem curte filmes que têm no próprio cinema sua motivação principal. A história fala de Paul Javal (Michel Piccoli), um escritor que é contratado para trabalhar no roteiro de um novo filme. Não um filme qualquer, mas sim uma nada despretensiosa adaptação cinematográfica de A Odisséia, de Ulisses. E mais: o cineasta será o mito Fritz Lang (interpretado por ele mesmo). Porém, a esposa de Paul é ninguém menos que a estonteante Camille (Brigitte Bardot, no auge de sua carreira). Quando ambos chegam aos bastidores do mundo do cinema, Paul começa a sofrer de uma inevitável crise de ciúmes de sua bela esposa. Principalmente depois que ela aceita uma carona do produtor do filme, Jeremy, papel de Jack Palance. O abalo no relacionamento é inevitável.

    Baseado no livro do escritor italiano Alberto Moravia e musicado pelo sempre competente Georges Delerue, O Desprezo é um filme da época em que Godard não era assim tão "Godard" como ele é ultimamente. Ou seja, trata-se de um trabalho mais digerível e menos hermético do chamado "enfant terrible" do cinema, na época, com 32 anos. Repare no anônimo assistente de direção que auxilia Fritz Lang: trata-se do próprio Godard, fazendo uma ponta, dando uma de Hitchcock.

    16 de maio de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus