Pôster do filme O Doutrinador

O DOUTRINADOR

(O doutrinador)

2018 , 108 MIN.

16 anos

Gênero: Ação

Estréia: 01/11/2018

página inicial do filme
  • Onde assistir

    Programação

  • Ficha técnica

    Direção

    • Gustavo Bonafé

    Equipe técnica

    Roteiro: Bia Crespo, Denis Nielsen, Gabriel Wainer, Guilherme Siman, L.G. Bayão, Luciano Cunha, Mirna Nogueira, Rodrigo Lages

    Produção: Bruno Wainer, Marcio Fraccaroli, Sandi Adamiu

    Fotografia: Rodrigo Carvalho

    Estúdio: Paris Entretenimento, Space

    Montador: Federico Brioni

    Distribuidora: Downtown Filmes, Paris Filmes

    Elenco

    Carlos Betão, Eduardo Chagas, Eduardo Moscovis, Eucir de Souza, Gustavo Vaz, Helena Luz, Helena Ranaldi, Kiko Pissolato, Lucy Ramos, Marília Gabriela, Natália Lage, Natallia Rodrigues, Nicolas Trevijano, Ricardo Dantas, Samuel de Assis, Tainá Medina, Talita Tilieri, Tuca Andrada

  • Crítica

    29/10/2018 18h15

    Por Daniel Reininger

    O Doutrinador é um incrível filme sobre um anti-herói violento, com sede de vingança e justiça. É uma ótima adaptação dos quadrinhos e, caso você não saiba, é brasileiro! O cinema nacional está ganhando cada vez mais qualidade com filmes de gênero surpreendentes e muito bem produzidos, apesar dos longas de ação ainda serem raridade. Por isso mesmo é muito bom ver essa obra chegando aos cinemas, ainda mais pela incrível crítica que traz.

    Baseado na HQ homônima criada por Luciano Cunha e adaptada para os cinemas por Gabriel Wainer, a trama mostra como Miguel (Kiko Pissolato), um agente federal de elite, se cansa da corrupção dentro do sistema e decide agir contra políticos e seus lacaios, se tornando um verdadeiro juiz, júri e executor de criminosos do governo.

    O filme faz uma crítica social e política relevante, evidenciando o absurdo do sistema corrupto brasileiro, que funciona na base da maracutaia, acordos e desvio de verbas. É bem interessante ver um longa bater tão forte no status-quo, mas o foco mesmo é a ação e a jornada do protagonista, que está no limiar entre ser um violento vilão e um herói do povo.

    A história é um pouco padrão, mas a ver se desenrolar no Brasil, com tantos elementos que conhecemos de perto, traz algo novo para o espectador. Só que se você não dá a mínima para essa questão e espera algo inédito, é melhor tirar o cavalinho da chuva, afinal o lance mesmo de O Doutrinador é a adrenalina e a parte técnica bem executada.

    As cenas de ação são bem dirigidas, os efeitos são bons, a fotografia é particularmente inspirada, com tomadas incríveis da cidade de São Paulo e belos momentos em topos de prédios bem estilo Demolidor e Batman. As locações são belíssimas como um todo, até os lugares mais decadentes chamam atenção.

    Agora para os amantes da música, a trilha sonora é um verdadeiro presente. Heavy Metal, punkrap nacional (com o Rincon Sapiência e uma letra fortíssima) dão o tom de resistência e luta contra o sistema falido e corrupto brasileiro. A atenção aos detalhes é incrível: da luz ao som, do treinamento de combate, à cenas de corruptos rindo dos brasileiros.

    O longa ganha também com o alto nível das atuações. Pissolato está muito bem nas cenas de ação e também nos momentos dramáticos. Definitivamente convence como anti-herói fodão. A hacker Nina, interpretada pela ótima Tainá Medina, também está incrível e a dupla tem uma ótima química em tela. Marília Gabriela aparece bem, com muita seriedade e sempre convincente no papel de uma ministra corrupta. Ela merecia mais espaço.

    O Doutrinador é um filme surpreendente, empolgante e muito bem produzido. É prova da qualidade do cinema nacional e nos faz querer ver cada vez mais filmes de ação ambientados por aqui, com temas próximos ao nosso povo e com críticas sociais, políticas e econômicas relevantes. Agora, em um dos momentos mais sombrios do país, mais do que nunca. Só é uma pena esse filme ter sido lançado após as eleições de 2018 e não antes delas.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus