O ESPANTA TUBARÕES

O ESPANTA TUBARÕES

(Shark Tale)

2003 , 90 MIN.

Gênero: Animação

Estréia: 08/10/2004

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Bibo Bergeron, Vicky Jenson

    Equipe técnica

    Roteiro: Michael Wilson

    Produção: Allison Lyon Segan, Bill Damaschke, Janet Healy

    Trilha Sonora: Hans Zimmer

    Estúdio: DreamWorks SKG

    Distribuidora: UIP

    Elenco

    Angelina Jolie, Jack Black, Martin Scorsese, Renée Zellweger, Robert De Niro, Will Smith, Ziggy Marley

  • Crítica

    08/10/2004 00h00

    Não há dúvidas que, hoje em dia, animações não são somente para gente pequena. Especialmente quando falamos sobre as produzidas pela DreamWorks. Ambos os filmes estrelados pelo ogro Shrek estão aí como prova. Pois o estúdio continua por aí para fazer animações para gente grande com O Espanta Tubarões.

    Assim como Procurando Nemo, este desenho se passa no fundo do mar, mas as comparações param por aí. Se a animação da rival Disney/ Pixar em personagens cuja fisionomia e movimentos são fiéis aos seres aquáticos, o universo de O Espanta Tubarões está muito mais para uma fábula. O mundo submarino criado neste longa tem inspirações no nosso mundo: prédios, tráfico, painéis luminosos e até lava-rápidos (as baleias entram no lugar dos carros) estão nessa animação.

    Em um mundo terreno debaixo d'água, vive o peixe Oscar, o espanta tubarões do título. Um verdadeiro malandro da periferia, ele sempre se mete em enrascada. Seu sonho é ser alguém no fundo do mar, mas ele não anda tendo progressos trabalhando no lava-rápido. Sempre chegando atrasado no trabalho, suas mancadas são encobertas por Angie, uma peixinha apaixonada pelo malandro. Endividado até a última barbatana, ele é freqüentemente ameaçado por seu chefe, o bagre Sykes, que manda seus capangas água-vivas Ernie e Bernie darem um "corretivo" em Oscar.

    Paralelamente, conhecemos os tubarões, que são os mafiosos do fundo do mar - qualquer semelhança com O Poderoso Chefão não é mera coincidência. O patriarca é o Don Lino, mas ele está prestes a se aposentar. Por isso, que preparar seus filhos, Lenny e Frankie, para assumir o comando dos negócios. No entanto, Lenny é um daqueles tubarões que acreditam que peixes são amigos. Portanto, a única opção que Don Lino tem é Frankie. Até que ele morre. É aí que as duas histórias se juntam: Oscar, que estava próximo do local onde o acidente acontece, assume o "assassinato" e vira a celebridade do momento junto aos peixes. Claro que isso era tudo que ele queria e, por isso, não faz nada para desmentir, muito pelo contrário. Ele até tem a ajuda de Lenny para conservar sua fama de matador. Mal sabia ele que Don Lino viria atrás dele para terminar o negócio.

    Como animação, O Espanta Tubarões é um ótimo trabalho. Cheio de referências a outros filmes - como a música de Tubarão -, a animação deve agradar bastante aos maiores. Além disso, os peixes ganharam as feições e marcas registradas de seus dubladores: Oscar tem a cara e o jeito de Will Smith; a pinta de Robert De Niro está em Don Lino e a peixinha Angie faz as caretas de Renée Zellwegger. Até a personagem femme fatale Lola tem os lábios carnudos como de Angelina Jolie. Mas o melhor deles é o tubarão Lenny, dublado por Jack Black. No entanto, o roteiro de O Espanta Tubarões é bem fraquinho e previsível, tirando algumas piadinhas bem boladas.

    Por conta desses detalhes na caracterização dos personagens, vale ver a animação com legendas. Pena que somente 40 cópias serão lançadas nessa versão. De qualquer forma, O Espanta Tubarões é daqueles longas que oferecem uma "diversão-pipoca". Mas não espere muito mais do que isso, especialmente se você for levar a criançada, já que as melhores sacadas de O Espanta Tubarões são destinadas aos adultos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus