O EVANGELHO DAS MARAVILHAS

O EVANGELHO DAS MARAVILHAS

(O Evangelho das Maravilhas)

1999 , 112 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Arturo Ripstein

    Equipe técnica

    Roteiro: Paz Alicia Garcia Diego

    Elenco

    Bruno Bichir, Carolina Papaleo, Edwarda Gurrola, FranciscoRabal, Katy Jurado

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O Evangelho das Maravilhas

    Muita coisa pode ser dita a respeito do filme O Evangelho das Maravilhas. Surreal, barroco, cínico, destruidor das tradições religiosas, claustrofóbico. De uma maneira ou de outra, tudo isso é verdade. Mas há um ponto que o espectador também precisa saber: o filme é duro de engolir. Todo fotografado em tons escuros, em ritmo teatral e linguagem cifrada, O Evangelho das Maravilhas é o verdadeiro anti-cinema comercial. E nem poderia ser diferente, já que seu diretor, o mexicano Arturo Ripstein, foi discípulo do hermético Louis Buñuel, co-criador do movimento surrealista, ao lado de Salvador Dali.

    Toda a ação (ou a falta dela) se desenvolve dentro de uma comunidade de fanáticos religiosos que estão em busca da perfeição santificada, enquanto esperam o fim do milênio.
    Tudo sob o comando dos líderes espirituais Mamá Dorita (Katy Jurado) e Papá Basílio (Francisco Rabal). Porém, Mamá Dorita fica gravemente doente, e designa como sua sucessora a jovem Tomasa (Edwarda Gurrola), uma menina de rua que dá novos rumos e novas regras à comunidade. Entre elas, o sexo: antes proibido, agora ele é praticamente obrigatório. Desde que seja anal, pois assim a virgindade do hímen é preservada. Ou seja, uma típica parábola da falsidade das religiões.
    Como quebra-cabeças, O Evangelho das Maravilhas até funciona. Já como espetáculo cinematográfico e entretenimento...

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus