O FIO DA INOCÊNCIA

O FIO DA INOCÊNCIA

(Felicia's Journey)

1999 , 116 MIN.

14 anos

Gênero: Suspense

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Atom Egoyan

    Equipe técnica

    Roteiro: Atom Egoyan

    Produção: Bruce Davey

    Fotografia: Paul Sarossy

    Trilha Sonora: Mychael Danna

    Estúdio: Icon Productions

    Elenco

    Arsinée Khanjian, Bob Hoskins, Brid Brennan, Claire Benedict, Danny Turner, Elaine Cassidy, Gerard McSorley, Marie Stafford, Nizwar Karanj, Peter McDonald, Sheila Reid

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Numa cidade industrial, no interior da Inglaterra, duas pessoas completamente diferentes se encontram casualmente: o empresário Joseph (Bob Hoskins, de Uma Cilada Para Roger Rabbit e Círculo de Fogo) e a garota irlandesa Felicia (Elaine Cassidy). Joseph é um cinqüentão metódico, solitário e atencioso. Sua casa se assemelha a um verdadeiro museu dos anos 50. Felicia é uma jovem do interior que está à procura de seu namorado, do qual não sabe sequer o endereço. Solícito e gentil, Joseph orienta Felicia, lhe dá carona, fornece algumas informações sobre a cidade e a ajuda na busca pelo rapaz. Porém, debaixo de sua aparência elegante e inofensiva, ele esconde terríveis segredos e profundos problemas. “Ele é uma mistura de Jack, o Estripador, com Ursinho Puff’’, diz o próprio Bob Hoskins.

    Depois do sensível O Doce Amanhã, o diretor e roteirista egípcio (radicado no Canadá) Atom Egoyan realiza mais um trabalho denso, introspectivo e permeado de um magnético clima de suspense. Em estilo clássico, Egoyan analisa o universo de duas personagens, cada uma a seu modo, presas ao passado. Joseph parece ter parado no tempo, sempre mergulhado em antigas lembranças, enquanto Felicia vive num estado de ingenuidade atípica para os dias de hoje. Ela é rural, ele é industrial. Ela parece não saber nada. Ele parece seguro de si e entendedor de tudo. Apaixonado por culinária, ele é o grande provedor. Indefesa, ela é a grande desamparada. “Uma espécie de A Bela e a Fera moderno”, de acordo com o cineasta.

    A atmosfera do filme é inquietante, quase perturbadora. Gestos medidos, música envolvente, direção sóbria e interpretações contidas prenunciam o horror que está por vir. Não o horror das mutilações baratas, mas sim um terror psicológico e cerebral. Espantoso até.

    Mais uma vez Egoyan prende a atenção da platéia com sutileza e eficiência. Um belíssimo filme que tem Mel Gibson como um dos produtores.

    O Fio da Inocência foi indicado a dez prêmios Genie, uma espécie de Oscar canadense.

    29 de janeiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus