Pôster_O Formidável

O FORMIDÁVEL

(Le Redoubtable)

2017 , 107 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 26/10/2017

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michel Hazanavicius

    Equipe técnica

    Roteiro: Michel Hazanavicius

    Produção: Florence Gastaud, Michel Hazanavicius, Riad Sattouf

    Fotografia: Guillaume Schiffman

    Estúdio: Les Compagnons du Cinéma

    Montador: Anne-Sophie Bion, Michel Hazanavicius

    Distribuidora: Imovision, StudioCanal

    Elenco

    Arthur Orcier, Bérénice Bejo, Emmanuele Aita, Félix Kysyl, Grégory Gadebois, Guido Caprino, Jean-Noël Martin, Jean-Pierre Mocky, Laurent Soffiati, Louis Garrel, Louise Legendre, Marc Fraize, Matteo Martari, Micha Lescot, Philippe Girard, Quentin Dolmaire, Romain Goupil, Stacy Martin, Stéphane Varupenne

  • Crítica

    18/10/2017 17h31

    Por Thamires Viana

    Foi em 2011 que Michel Hazanavicius trouxe O Artista, filme que rendeu a ele o Oscar de Melhor Diretor. Em busca de mais um sucesso inspirado na Sétima Arte, Hazanavicius traz para as telas O Formidável, um filme sobre Jean-luc Godard, adaptado do livro "Um Ano Depois", da atriz, escritora e modelo Anne Wiazemsky, com quem o cineasta-vanguardista foi casado durante 12 anos.

    Com roteiro do próprio Hazanavicius, o longa se concentra no período de um ano - maio de 1968 a maio de 1969 – durante as gravações de A Chinesa e traz uma história de mão dupla na vida do diretor, interpretado por Louis Garrel. Primeiro, o do homem que acredita ter encontrado seu caminho com o ativismo político, perdendo a essência característica que trouxe no período abençoado em que gravou Acossado, em 1960, e O Demônio Das Onze Horas em 1965.

    No outro caminho, está o apaixonado que, sem perceber, maltrata sua mulher, Anne Wiazemski, interpretada pela atriz Stacy Martin, deixando de lado o relacionamento com uma de suas musas inspiradoras. Em ambos os lados, a demonstração do personagem é impressa de uma forma sarcástica e extremamente cômica. O diretor traz com precisão esse momento da vida e do futuro profissional de Godard. As críticas afiadas e nada positivas sobre o seu último filme, desmoronam o homem e cria uma personalidade pouco conhecida até mesmo para os mais íntimos.

    Além disso, o filme apresenta elementos visuais e de linguagem característicos de Godard, implementando a abordagem cinematográfica que ele sempre cultivou: O costume de distorcer clichês e inserir referências, como no momento em que Louis Garrel e Stacy Martin reproduzem uma cena de A Classe Americana, filme de Hazanavicius, durante um diálogo em uma sessão de cinema.

    O Formidável nos deixa a vontade para construir nossos próprios pensamentos em relação ao diretor, sua posição política e ao intenso amor – por vezes doentio – que sente por sua mulher. É possível que o espectador saia do cinema admirando ainda mais o lado profissional do cineasta e abominando sua vida particular, recheada de autossabotagem.

    Com algumas sacadas bem pensadas e contatos visuais com as câmeras, Louis Garrel consegue recriar a personalidade de Godard de forma criativa e bem humorada, como as quatro ou cinco cenas em que ele escorrega e quebra seus óculos durante as manifestações políticas, uma maneira poética de demonstrar o desejo de adotar uma nova visão. Já Stacy Martin, entrega uma Anne retraída, mas que ao longo da trama percebe uma força em si que muda radicalmente seu jeito de enxergar o marido. 

    O longa não tenta competir com os filmes de seu gênero, mas sim, criar uma abordagem única e afetuosa da vida do cineasta. Ainda assim, o longa apresenta um Godard bem diferente do que a mídia construiu. A visão de Anne entrega que a convivência com o cineasta era complicada e que seu casamento era baseado em momentos machistas e tensos. De qualquer forma, Michel Hazanavicius realiza com sucesso um longa que apresenta a dupla Stacy Martin e Louis Garrel vivendo personagens profundos e bem dirigidos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus